revista bula
POR EM 07/12/2010 ÀS 10:51 AM

Beco escuro

publicado em

Afirma o Adamastor, reflexivo como compete a um gigante da sua estirpe, que a civilização de qualquer forma acabaria conduzindo a humanidade a esse beco escuro, sem saída e perigoso. A solidão cósmica acabaria, mais cedo ou mais tarde, transtornando o ser humano que, à guisa de consolo, anula-se com um desprezo também sideral, elegendo outros seres para o digno posto de protagonistas do mistério da existência. Seres com anima, movimento próprio e que se reproduzem sexuadamente.

Agora, ele continua, começam a surgir grupos cada vez maiores defendendo a ideia, de aparência ingênua, de que é suma maldade o homem servir-se de animais, seus irmãos, como cobaias. Matam-se coelhos, ratos e macacos, para salvar a vida deste reles ser, deste ser desprezível que é o homem. Experiências em laboratórios com animais deveriam ser proibidas, pois eles são nossos irmãos.

Para sermos coerentes, diz meu amigo, imagino que comer frango, churrasco de carne bovina, comer ovo de galinha ou uma bela costeleta de porco, tudo isso também pode ser considerado como verdadeira agressão à parentalha. Os açougues deverão ser fechados, matadouros proibidos e o confino de animais, de todas as espécies, extirpado da face da Terra.

O Adamastor me contou que agora já existem hospitais para nossos irmãos quadrúpedes de fazer inveja àqueles destinados a esses bípedes que se julgam os mais inteligentes do planeta. Não só, ele comenta. Já existem projetos de lei discutindo o destino de um cão, por exemplo, em caso de divórcio, bem como antigamente se discutia o destino dos filhotes humanos. Ah, sim, mas não para por aí: nossos quadrúpedes, segundo o parecer e a vontade de alguns deputados e senadores, deverão dispor dos benefícios do INSS, pois em caso de doença e hospitalização, como as famílias poderão resolver o problema?

O tom do discurso do Adamastor pode parecer humorístico, mas o assunto, pelo que se leu nos jornais, é muito sério.

Radicalmente coerente, o Adamastor anda sugerindo que os inseticidas e os antibióticos também caiam em desgraça, porque, enfim, atentam contra seres vivos. Insetos, vírus e bactérias devem entrar na lista dos protegidos, não é verdade? Por que apenas ratos e coelhos deveriam ter o privilégio de nossa proteção? Somos todos irmãos, todos filhos do mesmo deus. Ele não falou de cães e gatos porque esses já tomaram o lugar de pequenos seres chamados de crianças, pelo menos em grande parte da classe média.

Se o grupo protetor das cobaias crescer muito,  temo que ainda acabemos enjaulados para que cientistas de quatro patas façam experiências conosco, como num conto do Jaguar. 

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2021 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — [email protected]
wilder morais
renovatio