Comentários, página 265 | Acervo da Revista Bula
revista bula
  • Flávio, não acho que nesse texto ele esteja questionando apenas a utilidade das interpretações de textos literários, mas o próprio valor desse estudo. E por extensão das artes. É o velho argumento, melhor investir na cura de doenças do que em teatro, livros. No filme "O Desprezo" (1963), Godard coloca na boca do produtor de filmes norte-americano Prokosh, interpretado por Jack Palance, a "boutade": "Toda vez que ouço falar em cultura saco logo meu talão de cheques".

    Parodiando Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolf Hitler "Saco meu revólver".

    13 anos atrás por Lauro Marques
  • Li na "vertical" esse texto do Stanley Fish, de quem li algo na linha do pragmatismo literário. Concordo que o estudo das Humanidades não salva ninguém. Aliás, é muito mais condenar (ao desemprego, por exemplo) do que salvar. No nosso País, então nem se fala. Só que Fish pensa demais como americano. Imagine um mundo sem arte. Imagine o Afeganistão dos talibãs ou a América fanática de Bush que nega Darwin. Ou o Brasil com seu povo inerte. Eis aí os "efeitos concretos" experienciáveis.

    13 anos atrás por Lauro Marques
  • Li na "vertical" esse texto do Stanley Fish, de quem li algo na linha do pragmatismo literário. Concordo que o estudo das Humanidades não salva ninguém. Aliás, é muito mais condenar (ao desemprego, por exemplo) do que salvar. No nosso País, então nem se fala. Só que Fish pensa demais como americano. Imagine um mundo sem arte. Imagine o Afeganistão dos talibãs ou a América fanática de Bush que nega Darwin. Ou o Brasil com seu pono inerte. Eis aí os "efeitos concretos" experienciáveis.

    13 anos atrás por Lauro Marques
  • O Programa Raízes entrevista o escritor e poeta Delermando Vieira. Nascido em Caldas Novas, GO, no dia 15 de fevereiro de 1950. Filho de Joaquim Alves Vieira e Raudinora Inez Vieira. Fez os estudos no Grupo Damiana da Cunha, Colégio Estadual Professor Pedro Gomes e Escola Técnica de Comércio de Campinas. Cursou Direito na Universidade Federal de Goiás. Professor de Literatura, é formado em Língua Espanhola pela Universidade Católica de Goiás. Membro da Academia de Letras e Artes de Caldas Novas. Possui inúmeras premiações literárias. Fez cursos e pesquisas no campo da Cabala e Demonologia, que, acabaram influenciando a sua poesia, dando ao seu estilo uma "inclinação metafísica", na análise de Darcy França Denófrio.

    13 anos atrás por PROGRAMA RAÍZES JORNALISMO CULTURAL
  • Olívia (?) você está parecendo uma bobinha, dessas não que não sacam nada, mas insistem em rir. Tem dó. Volta pro berço ou procura um analista.

    13 anos atrás por cwl
  • AINDA SOBRE O RAKING DE TEXTOS MAIS LIDOS.
    COMO EXPLIQUEI ANTES: A CADA 300 ACESSOS O TEXTO SOBE UM DEGRAU, 1,2,3, 4 E VAI...

    ENTÃO QUANDO EXISTEM DOIS TEXTOS COM MESMO NÚMERO ELES FICAM SE REVESANDO. PARA VER ISSO ACONTECER É SÓ APERTAR A TECLA F5.

    13 anos atrás por cwl
  • Porque o senhor carlos william (o dono da panela)que gosta de falar mal de todo mundo, não conta pra gente quem é seu kleber adorno?

    13 anos atrás por Olivia Andrade
  • Caro Avacalhado Anônimo, quando se refere a produtos culturais, a expressão "bubblegum" é usada nos Estados Unidos para designar o descartável, algo de consumo rápido e esquecido também com velocidade.
    PS: não tenha medo de se identificar. Aqui não é blog de insultos da revista Veja, essa sim a avacalhadora.

    13 anos atrás por enio
  • Caro Eberth Vencio, você escreve de forma desenvolta. Seu texto A miragem é tocante. Parabéns.

    13 anos atrás por Marluce
  • É verdade, será que a arte serve para alguma coisa? Além do execício da vaidade.

    13 anos atrás por Carlos Augusto
  • O avacalhado deve só estar avacalhando.
    Esquece que os maiores filmes da história não foram feitos de tiros.

    13 anos atrás por Márcio Oliveira Marra
  • "bubblegum" ? ui, ui, ui...

    13 anos atrás por Avacalhado
  • Embora cada um tenha o direito de fazer suas listas. O Enio tem razão sobre bubblegum moderno!

    13 anos atrás por Márcio Oliveira Marra
  • Quem merece uma análise em quem fica dando cotinuidade a esse tipo de conversa.

    13 anos atrás por cwl
  • Sociológica de quem votou, você diz, não?

    13 anos atrás por Bruna
  • Essa lista é tão por fora que merece uma análise sociológica.

    13 anos atrás por Bruno
  • Em breve, nas telas do cinema: "Me poupem, o filme".

    13 anos atrás por Mano Brown
  • vai ver Pulp Fiction e Clube da Luta são filmes ruins...por isso estão nas listas.
    Para fazer essas listas foi perguntado: "Quais foram os 10 filmes que mais marcaram sua vida em qualquer momento?" ou seja, é só uma questão de opinião...nada mais. Relaxa gente...ninguém tá recebendo nada por isso...se discordam das listas, façam as suas...dêem seus pulos e parem de ficar rasgando a tanguinha.
    Bom feriado a todos

    13 anos atrás por Don Corleone
  • Curiosa a lista de melhores filmes "de todos os tempos". Sinal dos tempos atuais: nada de Wim Wenders, Almodovar, Billy Wilder, Pasolini e John Ford na lista. Muito de bubblegum moderno: Pulp fiction, Clube da luta e Trainspotting. Verdadeiro "estranho no ninho": 1900, que mostra as raízes do partido comunista italiano. Bom sinal de que nem tudo que é vermelho é sangue.

    13 anos atrás por enio
  • ÊTA LISTINHA FILHA DA PUTA.

    13 anos atrás por João
  • Mário, acho que acharam seu nome bonito.


    13 anos atrás por cwl
  • "Por Mário Zeidler: Eta panelinha."
    Fiquei pensando se meu pai resolveu, de repente, freqüentar e-zines, ao invés de jogar "Luxor: Amon Rising", que é a única coisa que o vejo fazendo no computador. Como acho isso muito pouco provável, devo ter um outro xará. Quanto à Arte Culinária, saiba o sr. APD que, comendo a tal "panelinha" naquele barzinho do bueno/spl cujo nome me escapa e que eu chamo pessoalmente de "panelinha" mesmo, consegui, em casa, imitar a receita e, posteriormente, ultrapassá-la em muito na qualidade. Minha panelinha é melhor que a panelinha do panelinha.

    13 anos atrás por Mário Zeidler Filho
  • Mané = quem discorda de mim

    13 anos atrás por Kaique
  • Cadê o Marcos Fayad. Fugiu? Justo agora que eu iria educá-lo.

    13 anos atrás por Marcos
  • Pois é, Mário, é só para quem entende de arte culinária. Os outros, como você, serão postos no fogo como combustível. Cuidado para não explodir.

    13 anos atrás por Antônio Pedro Duarte
  • Eta panelinha.

    13 anos atrás por Mário Zeidler
  • Esta edição da Bula está bem servida em ficção. Além do conto do Menalton, é um primor, a narrativa O funil, de Jádson Barros.
    P.S. Os tempos mudam e a fila anda. Eu que sou analfabyte, agora estou publicando poemas, contos, crônicas em meu blog Diário de bardo. Endereço:
    http://feliciocarneiro.zip.net

    Façam visitinhas. Por mais este ato de caridade e fé cristã, agradeço.

    13 anos atrás por Brasigois Felicio
  • Sinceramente, vai dar moral para o Kaique, quem conhece ele, sabe dos problemas que ele tem.

    13 anos atrás por Gilda
  • Eu acho que o verdadeiro mané é aquele que só assistiu "O POderoso Chefão" e "era uma vez na América" e acha que entende de cinema. Aposto que de tanto ele ser mané nem assistiu aos outros filmes citados. Adoro manés..eles animam meu dia...geralmente eles são tão tapados que acham que sua opinião é sempre a melhor. Que faça então sua lista Ó Rei/Deus Especialista do Audiovisual!

    13 anos atrás por Don Corleone
  • Morre Arthur C. Clarke, autor de "2001: Uma Odisséia no Espaço"
    Da Redação

    O escritor de ficção científica britânico Arthur C. Clarke morreu nesta terça-feira (18), aos 90 anos em sua casa em Colombo, capital do Sri Lanka.

    Segundo informações do seu secretário pessoal, Clarke teve uma parada cárdiorrespiratória às 18h30 (1h30 da manhã de quarta-feira no horário do Sri Lanka).

    13 anos atrás por Notícia relevante
  • É verdade meu caro: "Quem vai pensar no sentido da vida no meio de um beijo"

    13 anos atrás por Bruno
  • Um belo conto, que diz muitas profundezas existenciais, este "Frente a frente", de Manelton Braff.

    13 anos atrás por Brasigois Felicio
  • Pegaram só manés para fazerem essas listas. Os únicos que salvam de todos aí citados é Poderoso Chefão e Era Uma Vez Na América.

    13 anos atrás por Kaique
  • PARA EVITAR PROBLEMAS NA VISUALIZAÇÃO DA BULA, USEM O FIREFOX OU INTERNET EXPLORER 7 ou 8.

    NAS VERSÕES ANTERIORES DO INTERNET EXPLORER -- A VISUALIZAÇÃO FICA COMPROMETIDA.

    13 anos atrás por CWL
  • Oi, Chico. Esse texto do Stanley Fish (é o melhor articulista do New York Times, sem dúvida) deu uma polêmica danada, foi recordista em conetários na época (início do ano). Afinal, põe em cheque muita coisa tida como ponto pacífico. Como ele levou muita lambada, escreveu outro depois tentando clarear o meio-de-campo. Uma das coisas que ele enfatiza nesse outro texto posterior, é que ele se referia aos departamentos de 'Artes e Humanidades' das universidades americanas, e não às artes e humanidades lato sensu. Ou seja, o problema não é com Hamlet, mas com as interpretações de Hamlet. É a utilidade dessas últimas que ele questiona.

    13 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Caro Flávio, gostei do texto: bastante instigante e "profundo". Diria, desafiador! Para começo de conversa, só a arte nos salva e nos livra do nosso abismo existencial, da nossa bestialidade. Se as Humanidades têm um fim, não importa, o que importa é o mergulho que elas nos permitem fazer na nossa mediocridade, promovendo em nós, não a redenção das nossas graves faltas, mas a possibilidade de, por elas, adquirir o discernimento para lidar com valores tão corruptos nos dias de hoje.

    Ferreira Gullar escreveu algo lapidar sobre a necessidade da arte, tão interessante que abro a minha Dissertação de Mestrado sobre Raul Bopp e Manoel de Barros com ela: Excesso de felicidade é uma maravilha. Torna a poesia e a filosofia totalmente dispensáveis. - Quem vai pensar no sentido da vida no meio de um beijo - O problema é que não existe felicidade permanente. Por isso a arte é necessária".


    13 anos atrás por Chico Perna
  • Apresentação: Doracino Naves

    Participação: Escritor Francisco Perna Filho (Chico Perna)

    Fonte TV - Canal 5

    Net - Canal 4

    Mais TV- canal 70

    http://www.gospelmais.com.br/tv/canal/fonte-tv

    Dia: 16 (Domingo)

    Horário: 09 horas da manhã



    13 anos atrás por PROGRAMA RAÍZES - JORNALISMO CULTURAL
  • PROGRAMA RAÍZES - JORNALISMO CULTURAL







    O Programa Raízes entrevista o médico e escritor Flávio Paranhos. Natural de Goiânia, Médico (UFG), especialista (IHR), doutor (UFMG) e post-doc fellow (Harvard) em Oftalmologia. Mestre (UFG) e doutorando (UFSCar) em Filosofia. Autor do livro de contos Epitáfio (Nankin Editorial) e da peça O Candelabro Judeu (Prêmio Nacional de Dramaturgia Vladmir Maikovski, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, São José dos Campos - SP). Coordenador da coleção Filosofia & Cinema da Nankin Editorial, Cronista do jornal O Popular.







    Apresentação: Doracino Naves

    Participação: Escritor Francisco Perna Filho (Chico Perna)

    Fonte TV - Canal 5

    Net - Canal 4

    Mais TV- canal 70

    http://www.gospelmais.com.br/tv/canal/fonte-tv

    Dia: 16 (Domingo)

    Horário: 09 horas da manhã




    13 anos atrás por PROGRAMA RAÍZES - JORNALISMO CULTURAL
  • posto isto, cw, só falta, aí na barra do "Comentário", colocar o acento no ponto certo da corcova do dromedário, desde que haja Ájax pra correção.

    13 anos atrás por braz
  • Quanto a dar aquele caráter mais artístico, infelizmente Braz não dá mais. Para fazer daquele jeito é preciso uma equipe. Eu precisava de quatro dias para conseguir fazer sozinho. Da forma atual, posso fazer em três horas. É a sobrevivência amigo...

    Infelizmente ainda não inventaram uma forma de ganhar dinheiro com sites. Mesmo tendo uma grande audiência.

    Espere e verá: a forma como esse novo sistema funciona. Em alguns meses estaremos no topo de todos os grandes sites de busca. É menos artístico, mas cem vezes mais eficiente.


    13 anos atrás por cwl
  • Braz, expliquei isso ao Flávio. A Nova Bula foi desenvolvida em Ájax (base da web 2). Então esse ranking -- de mais lidos -- atualiza os textos de nossos colunistas e envia essas informações aos milhares de agregadores que existem. Tirar significa, diminuir o alcance da Revista.

    Atualmente, é muito mais justo. Quando uma informação sobre um determinado colunista é enviada para algum leitor da Bula. Automaticamente ele envia junto os outros colunistas.
    É quase um coeficiente eleitoral.

    O ranking funciona assim -- da direita para esquerda -- a cada 300 acessos -- o colunista sobe um número. Baseado nesse número, comparando com o número dos outros colunistas ele aparece no ranking ou não.


    13 anos atrás por cwl
  • Créuincruz! Um cochilo dos quintos dos infernos. Onde se lê, no poema abaixo, taxas (ferventes), leia-se tachas, com "ch", se me fazem o favor.

    13 anos atrás por Belzebuth
  • O CÃO QUE TE ACOMPANHA -- Belzebuuuuuth! Eu sou o sopro da noite. O sussurro da noite. O cão uivante do vento. A sombra que te acompanha e te assombra lá dentro, para que não durmas, não tenhas pernoite. Sou o morcego do teu desassossego. Sou aranha na teia que te apanha. Sou incômodo na tua esconsa consciência, nos escaninhos obscuros do teu cérebro. Sou o pássaro do escuro. Vem comigo, que te levo pros confins do Érebro, te entrego, te coloco nos braços das chamas que te chamam e te tomam pra churrasco. Vem comigo, penitente. Minha casa é lá embaixo, no afluxo das almas perdidas e na ossada das taxas ferventes. Sassafrás! O sopro do vento e a sombra na tua retaguarda. A serpente da noite que a tudo leva e traz, aquela que se move pelas curvas das treva, nas estradas da vida e do nada.

    13 anos atrás por Belzebuth
  • CW, o número de acessos, como eu dizia, servia-nos de termômetro a medir nossa temperatura junto aos leitores; mas, se isso incomoda de certa forma, e embora não deva ser visto como competição cá entre nós, colaboradores da Bula, então tira fora, também, essa coisa meio confusa dos "cinco mais lidos", e volta com aquelas belas obras de arte que eram colocadas no frontispício ou página de rosto ou capa dessa nossa revista, conferindo-lhe uma luminosidade estética e marcante.
    No Comentário, o acento está fora de lugar; vamos corrigi-lo?
    Um abraço a todos: pessoal da Bula e leitores.

    13 anos atrás por braz
  • mas, não deve ser a mesma pessoa, mas o versos são brilhantes.

    13 anos atrás por Bruno da Bruna
  • Belzebuth seu comentário é tão bem elaborado que lembra o poeta valdivino Braz.

    13 anos atrás por Bruno da Bruna
  • Belzebuth, De qual inferno, Tu vens ?


    13 anos atrás por Minerva
  • Valeu, Enio! Já estava mais ou menos nesse caminho(h.white, luiz costa lima etc.) então, obrigado pela "confirmação" e principalmente pelas "outras" sugestões.

    13 anos atrás por Mário Zeidler Filho
  • POEMETO-LHE A MÃO NA ORELHA

    Quem não cria, croa.
    Galinha cisca porque quase não voa,
    e come coisiquinhas: minhocas,vidrilhos,
    canjiquinha e coisoutraszinhas.
    Galinha come os seus próprios "grilos". E sabe o que a "penosa" faz
    quando fica sobre um pé só?
    Não sabe?
    Ela suspende o outro pé.
    E tem gente que nem isso faz.
    Não cria, encroa.
    Uma vidinha linear.
    Não pratica a autocrítica,
    e vive só
    por conta de cri-cri-titicar.
    Ih, pisei na titica!

    13 anos atrás por Belzebuth
  • Segundo o jornal o popular de hoje. Estamos nadando, no quesito, exportação de putas. Tinha razão o Flávio Parnhos!

    13 anos atrás por Márcio Marra
‹ Primeiro  < 261 262 263 264 265 266 267 > 
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2020 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio