revista bula
POR EM 31/12/2010 ÀS 11:32 AM

Caminhando e cantando

publicado em

Continuo caminhando, apesar de todas as minhas objeções muito bem fundamentadas, porque ninguém pode ficar parado. Se o espírito já voa devagar, nada melhor do que botar o corpo em movimento. E para que a sensação de perda (de tempo) não me estrague o dia, como às vezes acontece a qualquer vivente, abro olhos e ouvidos bem abertos e colho em minha tarrafa peixes de todo tipo e tamanho.

Ontem cruzei com um velhinho de outros tempos, que já viu e viveu até o que não existe mais, a não ser nele mesmo. Pelo menos foi essa a idéia que me ocorreu quando o ouvi gritar, em plena avenida: veeeer-durei-rooo. A melodia de sua voz, bem, não há como reproduzi-la aqui, mas é a mesma que, resistente, também vem atravessando a bruma dos tempos. Oh, já ouvi essa mesma canção quando adolescente, num dia em que estava namorando na praça, os livros em uma das mãos e o coração na outra. Depois de ter feito minhas primeiras barbas, ela, a melodia, me tirou da cama em uma manhã de domingo, quando me agradaria muito corrigir os excessos da noite levantando só depois do meio-dia. Na medida em que os anos me ressecavam a pele e branqueavam o cabelo, esses apelos foram sumindo, cada vez mais esmagados pelos modernos supermercados. Os velhinhos vendendo nas ruas, aposentados ou não, iam perdendo sua razão de existirem.


leia mais...
POR EM 22/12/2010 ÀS 09:56 AM

Café filosófico

publicado em

Nem sempre se consegue estar atualizado, conhecendo tudo que acontece ao redor da gente. Tem-se ouvido muito falar em Café Filosófico, Salão de Ideias, Café Literário, tudo mais ou menos com o mesmo formato, mas algumas pessoas conseguem ver apenas um microfone aberto e uma oportunidade de se expressar. A coisa não é bem assim.

Corro o risco de ser acusado de ter produzido uma crônica didática, mas ela me parece necessária. Tenho visto muito equívoco envolvendo o assunto. Sem querer passar por dono da verdade, aí vão algumas observações que tenho feito, mas o objetivo real destas poucas e mal-traçadas linhas é bem outro.

O Salão de Ideias é o espaço da interação autor/leitor. Dúvidas, observações, talvez até contestações cabem no Salão de Ideias. Há um mediador com a função de esquentar a máquina, dando traços da biobibliografia do convidado e fazendo as primeiras perguntas para animar o público. Nada mais.

O Café Filosófico, originariamente, acontecia em um café na situação de informalidade que lhe é peculiar. Convidava-se alguém cuja assinatura aparecesse em algumas publicações, para esclarecer seus pontos de vista, para expor suas ideias a respeito de algum assunto de sua área. O autor fala, a plateia ouve. Só no final, as pessoas podem tirar suas dúvidas. Neste formato não existe o mediador. É uma palestra com tema definido, especialidade do palestrante. O nome, muitas vezes é uma impropriedade, pois o assunto abordado raramente é a filosofia.


leia mais...
POR EM 14/12/2010 ÀS 10:06 PM

Belo gesto

publicado em

O Adamastor me fez lembrar que todos nós nos entregamos à mórbida preferência por ver os vícios e defeitos humanos. E para exemplificar o que me dizia apenas como conceito, começou a citar filmes e livros, sobretudo filmes com sucesso de bilheteria. Mas é o pobrismo, hoje moda no Brasil, rebati. Bom que fosse só isso, refletiu meu amigo. E continuou dizendo que o facínora fascina porque comete o que muitos gostariam de cometer, sem coragem de arrostar a sociedade e arcar com as consequências.

Me lembrei dessa conversa com meu amigo, ontem de manhã. Como todos os dias, minha mulher e eu vamos de carro até certa avenida onde caminhamos por cinquenta minutos em passo acelerado. Antes do exercício, costumamos fazer alongamento. Colocamos as duas mãos empurrando o carro e as pernas se contorcem para soltar os músculos renitentes e infensos ao gosto do exercício. Agora reconheço: a posição em que trabalhamos as pernas é um pouco estranha.

Pois ontem, em pleno alongamento, vimos uma jovem mulher, não mais de vinte e cinco anos, atravessar a avenida olhando para nós, com semblante preocupado. Ao se aproximar, ela perguntou para a Roseli: A senhora não está se sentindo bem? Eu moro aqui perto, vamos até lá em casa.


leia mais...
POR EM 07/12/2010 ÀS 10:51 AM

Beco escuro

publicado em

Afirma o Adamastor, reflexivo como compete a um gigante da sua estirpe, que a civilização de qualquer forma acabaria conduzindo a humanidade a esse beco escuro, sem saída e perigoso. A solidão cósmica acabaria, mais cedo ou mais tarde, transtornando o ser humano que, à guisa de consolo, anula-se com um desprezo também sideral, elegendo outros seres para o digno posto de protagonistas do mistério da existência. Seres com anima, movimento próprio e que se reproduzem sexuadamente.

Agora, ele continua, começam a surgir grupos cada vez maiores defendendo a ideia, de aparência ingênua, de que é suma maldade o homem servir-se de animais, seus irmãos, como cobaias. Matam-se coelhos, ratos e macacos, para salvar a vida deste reles ser, deste ser desprezível que é o homem. Experiências em laboratórios com animais deveriam ser proibidas, pois eles são nossos irmãos.

Para sermos coerentes, diz meu amigo, imagino que comer frango, churrasco de carne bovina, comer ovo de galinha ou uma bela costeleta de porco, tudo isso também pode ser considerado como verdadeira agressão à parentalha. Os açougues deverão ser fechados, matadouros proibidos e o confino de animais, de todas as espécies, extirpado da face da Terra.


leia mais...
POR EM 01/12/2010 ÀS 05:13 PM

Aventura pequena

publicado em

Quem relata, é uma professora de cidade vizinha, município com menos de vinte mil habitantes. Seus alunos ainda não conheciam cinema, apesar de viciados em televisão, e ela resolveu levá-los a um shopping de uma cidade maior, em viagem civilizatória. Enfim, civilização pressupõe, entre outras coisas, o consumo dos bens criados pela inteligência humana. O filme era bom, segundo seus parâmetros de julgamento, um filme de sucesso. Os próprios alunos o escolheram. Como geralmente acontece, a escolha deveu-se à badalação da imprensa, que prefere julgamentos de quantidade a considerações de qualidade. O filme já fora visto por tantos milhões etc e continuava atraindo multidões ao cinema por seu aspecto espetaculoso.

Como é praxe acontecer nesses casos, antes do cinema são necessárias duas visitas: uma chegadinha à lanchonete e outra ao banheiro. Não há primeira visita a um shopping Center sem essas duas chegadinhas. No meio de um filme, aparecer criança choramingando de fome ou pedindo para a “tia” para fazer xixi, ah, não, é de estragar a festa. De admirar, a prudência dessas professoras de cidade pequena, que preparam seus roteiros baseadas na experiência com crianças. Até a lanchonete, nada de extraordinário: comeram salgadinhos, tomaram refrigerante e estas coisas todas que se costuma fazer num estabelecimento comercial do gênero. O problema foi no banheiro. As meninas não saíam mais. Todo mundo ali no corredor, com cara de quem espera alguém que foi ao banheiro, que é uma cara muito especial. E nada de as meninas aparecerem.


leia mais...
POR EM 23/11/2010 ÀS 12:39 PM

Apenas um filhote (II)

publicado em

Choveu muito esta noite, uma chuva monstruosamente pesada. Hoje de manhã, a primeira coisa de que me lembrei foi do filhote de andorinha que tinha aparecido na varanda, chamando a mãe. Ele não tinha idade tampouco natureza para me tomar por protetor de coisa nenhuma.

Saí para o jardim a fim de ver se descobria alguma pista do passarinho, mas pareceu-me que ele conseguira fugir. De manhã cedo, quando o sol ainda não se torna veneno, andar pelo jardim é como estar no Éden sem saber. Abri moitas de impatienses, vasculhei molduras de pingo de ouro, examinei o interior de um tufo de barba-de-bode e só encontrei ausências. Já estava feliz com a vitória daquele serzinho insignificante, quando vi, rente ao muro, uma bolinha preta, imóvel, meio opaca. Era o filhote, rígido, inteiramente morto. Sua cabeça tentava penetrar numa barreira de azedinhas, que, por muito densa, não dera entrada e proteção àquele ser frágil, incapaz de resistir à chuva.

Lembrei-me, então, de uma das mais belas crônicas daquela que foi uma das mais belas cronistas do Brasil. Cecília Meireles, com a mão leve que tinha, descreveu seu encontro casual com um cachorro doente, em “Um cão, apenas”.  Da crônica da Cecília Meireles desci assustado para minha experiência empírica imediata, enquanto removia o diminuto corpo sem vida, que, enrolado em meio metro de papel higiênico, foi jogado no cesto de lixo. Como não pensar, numa hora dessas no destino de alguns seres, humanos ou não?


leia mais...
POR EM 16/11/2010 ÀS 03:49 PM

Apenas um filhote

publicado em

Ontem apareceu um filhote de andorinha na varanda aqui de casa. Como chegou até aqui, não imagino. Sei que elas, as andorinhas, andaram rondando meu telhado, mas daí a ocupá-lo sem permissão me parece uma invasão ilegal. O filhote piou com tal intensidade que, mesmo sem saber ainda tratar-se de um filhote de andorinha (com sua capa escura e o peito branco)  me botei a procurá-lo. Encontrei o filhote escondido atrás de um vaso de calanchoê.  Ele ficou imediatamente mudo, pois, em lugar da mãe, o que lhe apareceu foi um monstro horrível. Imagino que nesse momento estivesse arrependido de haver piado, pois pio sempre denuncia. Assim é a vida. Os antigos diziam que bom cabrito não berra. E acho que não berram para não se denunciarem. 

Levei a mão aberta em sua direção, num gesto que qualquer um deveria entender tratar-se de uma oferta de ajuda, mas que a avezinha, em sua profunda ignorância dos gestos humanos, quem sabe com profundo conhecimento dos mesmos, interpretou como ameaça à sua pequena vida. Saiu batendo as asas, que foram feitas para cortar espaços, ou para planar em longos e suaves círculos, mas elas ainda não tinham treinado o suficiente. Enfim, sua vida era ainda pequena. Mal conseguiu uma altura de mais ou menos um metro, já teve de aterrissar, por causa do cansaço. Mas ele tinha uma vida a preservar, por isso manteve-se atento.


leia mais...
POR EM 10/11/2010 ÀS 07:49 PM

Ao vencedor, as batatas

publicado em

O Adamastor me chegou indignado, outro dia, com o que leu no Quincas Borba. Às vezes me esqueço que já estou aposentado e recomendo algum livro ao meu amigo. Mas como, vociferava ele, um escritor, reputado como o maior entre os escritores brasileiros, teve o cinismo de escrever uma coisa dessas! Perguntei assustado a causa da gritaria e meu amigo confessou que estava lendo aquele livro de Machado de Assis, e por recomendação minha. Quase sempre me esqueço de que, quando meu amigo lê, já sei que vou ter problemas.  E o Adamastor é daqueles (a maioria das pessoas) que confundem o papel de um ator com sua vida civil, e qualquer pensamento em um livro com o pensamento do autor. Sem contar que a confusão entre narrador e autor é ainda maior.

Quincas Borba é uma personagem irônica, expliquei, figura comum na literatura de Machado. Aproveitei para uma pequena introdução à leitura do texto literário. Não se deve ler literatura ao pé da letra. Os sentidos estão quase sempre escondidos nos escaninhos do discurso. Ambigüidades, ironias, eufemismos e tantos outros recursos de retórica fazem parte do que há de lúdico na literatura, ou seja, participam de sua literariedade. Tive a impressão de que não fora suficientemente claro, pois meu amigo sacudiu a cabeça em movimentos horizontais, provavelmente significando que não, não concordava com nada daquilo. 


leia mais...
POR EM 02/11/2010 ÀS 02:16 PM

Ano político

publicado em

Ás vezes me aparece aqui em casa o Adamastor, meu amigo gigante, para serrar um cafezinho, uma cerveja, um bate papo em disponibilidade. Ao sentar-se, ontem, desconfiei de que não vinha com sede, pois sua testa trazia estampada uma pergunta, pela qual não tive de esperar muito. 

Você não acha que um ano político prejudica a economia? perguntou e ficou com os olhos cravados em mim. Cocei a cabeça. Economia não é minha praia, isso é lá com os economistas, me deu vontade de dizer. Então pedi a ele que prestasse bastante atenção porque em sua pergunta havia uma impropriedade vocabular, e esse sim, esse é assunto de minha área de interesse. 

Ele abriu um pouco a boca, mas, além de dentes, nada mais se encontrava lá dentro. Era apenas, como eu já sabia, sua cara de esperar explicação. Fechei a pasta onde procurava um texto antigo de que estava precisando e o encarei.  Como eu não fosse dar resposta imediata e direta àquilo que o preocupava, ele disse que aceitaria um cafezinho. Tomamos o cafezinho que encomendei em silêncio escuro e quente. Política, expliquei por fim, é a ciência referente aos fenômenos do Estado, como mais ou menos dizem todos os dicionários. E isso num sentido bastante restrito, porque Carlos Nélson Coutinho, filósofo brasileiro, afirma que todo ato com repercussão no outro é ato político. O Adamastor remexeu-se impaciente na poltrona. O assunto, na forma como o desenvolvia, não era de seu agrado. 


leia mais...
POR EM 26/10/2010 ÀS 10:58 PM

Anedota socrática

publicado em

Nada contra a posse de bens, mesmo os materiais, pois sem eles a vida seria impossível. Quanto aos bens espirituais, bem, sem eles vive-se tanto quanto vivem patos e marrecos, bois e cavalos, e alguns bípedes muito encontradiços em nosso meio. A busca de bens materiais é natural, se deles dependemos. O que causa espanto, desalento, o que causa descrença nesse pequeno ser que se chama humano é ver como algumas pessoas vendem a alma ao diabo. Não, não vou falar de literatura, que por ela já passeei bastante ultimamente. Não vou falar do Fausto, tampouco do Riobaldo, famosas personagens que se deixaram seduzir pela ideia de que o diabo podia ajudá-los a alcançar algum objetivo em troca da alma, que a ele deveriam entregar após a morte. A venda da alma de que me ocupo é outra. Falo da sedução exercida pelo mercado e que conquista muitas almas. Nos dias que correm (e céleres) pode-se dizer que o mercado conquista a grande maioria das almas.

O ser há muito perdeu sua importância. Vivemos, como já se disse por aí, numa época em que ter vai conquistando a maioria dos corações. Pior ainda. Há quem diga que parecer, nos dias atuais, é o canal, a verdadeira causa de satisfação. Talvez seja, mas o que me ocupa agora é o modo fácil como a maioria absoluta da população é capaz de sacrificar afinidades, valores éticos, amizades, prazeres, sonhos e encantamento pela posse de um objeto qualquer. E muito qualquer. Quase nunca um objeto que lhe trará algum benefício. Não aprendemos com a semiótica que se compra não o objeto, mas sua significação? Em outras palavras, compra-se o objeto que dê status, a marca que dê prestígio, isto é, compram-se aparências. 


leia mais...
‹ Primeiro  < 2 3 4 5 6 7 8 9 10 >  Último ›
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2021 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — [email protected]
wilder morais
renovatio