revista bula
POR EM 10/03/2009 ÀS 09:27 AM

O despertáculo de Pio Vargas

publicado em

Domingo, 8, completou 18 anos da morte do poeta Pio Vargas, apontado por Paulo Leminski como um de seus sucessores. A carreira meteórica do autor de “Anatomia do Gesto” e “Os Novelos do Acaso” foi tragicamente interrompida por uma overdose de cocaína, na tarde de 8 de março de 1991, tinha 26 anos

Pa­ra co­me­çar com uma fra­se dos sa­u­do­sos e dos meio ca­du­cos, eu me lem­bro co­mo se fos­se on­tem: Era ju­lho de 1981 quan­do me mu­dei de vol­ta pa­ra Ipo­rá e fui re­si­dir à Ave­ni­da Mi­nas Ge­ra­is. A mes­ma em que mo­ra­va um jo­vem po­e­ta cha­ma­do Pio Var­gas. Já ou­vi­ra fa­lar de­le, ti­nha o vis­to al­gu­mas ve­zes, mas a gen­te nun­ca se fa­la­ra. Não que hou­ves­se mal­que­ren­ça en­tre nós. O que fal­ta­va era o es­ta­be­le­ci­men­to da ami­za­de. Cer­ta ma­nhã quan­do ele pas­sa­va à por­ta de mi­nha ca­sa, co­xe­an­do vi­si­vel­men­te (se­que­la dos ex­ces­sos da pe­da­go­gia ca­sei­ra), an­tes que eu to­mas­se a ini­ci­a­ti­va de in­ter­cep­tá-lo, ele me abor­dou. E fo­mos lo­go fa­lan­do de li­vros, lei­tu­ras, po­e­si­as. Em meio tem­po, éra­mos ve­lhos ami­gos.

Pio era ain­da um ga­ro­to es­tu­dan­te do ci­clo bá­si­co, alu­no da en­tu­si­as­ta pro­fes­so­ra de Por­tu­guês Lau­rin­da Bar­ba­lho, res­pon­sá­vel pe­lo acom­pa­nha­men­to de su­as pri­mei­ras cri­a­ções po­é­ti­cas. De­pois da­que­le dia, eram bas­tan­te fre­qüen­tes su­as pas­sa­das em mi­nha ca­sa, oca­si­ões em que de­mons­tra­va cor­dia­li­da­de e gen­ti­le­za co­mi­go, com meus fi­lhos e mi­nha mu­lher. Mas o que ele in­te­res­sa­va de fa­to era fa­lar de Li­te­ra­tu­ra e ter aces­so aos li­vros de mi­nha bi­bli­o­te­ca que, ape­sar de não ser gran­de, era uma das mais se­le­ci­o­na­das que ha­via em Ipo­rá, à épo­ca.

Até ho­je mui­tas pes­so­as di­zem que fui uma es­pé­cie de pai li­te­rá­rio de Pio Var­gas, que fui seu ori­en­ta­dor, a pes­soa que o co­nec­tou com a po­e­sia con­si­de­ra­da de boa qua­li­da­de. Eu mes­mo che­guei a ali­men­tar es­sa ilu­são por al­gum tem­po. Mas olhan­do ago­ra de lon­ge, pe­la pers­pec­ti­va que o tem­po nos dá, acre­di­to que há um equí­vo­co em tu­do is­so. Na ver­da­de, se há um pai li­te­rá­rio nes­sa re­la­ção, eu é que sou fi­lho de Pio Var­gas.

Ocor­re que eu bei­ran­do meus trin­ta anos, bus­can­do as­cen­são pro­fis­si­o­nal, cu­i­dan­do da fa­mí­lia, já es­ta­va bas­tan­te con­for­ma­do com a me­ra con­di­ção de lei­tor e au­tor di­le­tan­te. Mas Pio Var­gas me apa­re­ceu in­cen­di­a­do pe­lo en­tu­si­as­mo, com be­los ver­sos iné­di­tos, com fra­ses de efei­to des­con­cer­tan­tes, com mil pro­je­tos de es­cre­ver is­so e aqui­lo, de fa­zer e acon­te­cer atra­vés da es­cri­ta. Ime­di­a­ta­men­te fui con­ta­mi­na­do pe­la sua cha­ma po­é­ti­ca, co­mo se eu ti­ves­se vol­ta­do uns dez ou quin­ze anos em mi­nha vi­da, quan­do eu tam­bém an­da­va in­cen­di­a­do pe­lo ar­dor da pa­la­vra.

Foi en­tão que eu apres­sei a es­cri­ta e pu­bli­quei “Es­ta­ção do Cio”, meio que com­pe­tin­do com ele, que es­cre­via “Ja­ne­las do Es­pon­tâ­neo”. Lo­go em se­gui­da co­me­cei a es­cre­ver os po­e­mas de “Coi­sa In­co­e­sa” e fa­zer as pes­qui­sas pa­ra o ro­man­ce “A Cen­to­péia de Né­on”. Ele es­cre­via os po­e­mas que de­pois fo­ram dis­tri­bu­í­dos nos li­vros “Os No­ve­los do Aca­so”, “Ana­to­mia do Ges­to”, “Sa­bor de Pa­la­vras” e “Os En­ge­nhos do Vão”. Ha­via em nos­so tra­ba­lho mui­ta co­o­pe­ra­ção e cum­pli­ci­da­de. Eu da­va pi­ta­co nos tra­ba­lhos de­le e ele da­va nos meus.

Pio Var­gas era um ca­ma­ra­da crí­ti­co, go­za­dor. Per­dia a ami­za­de, mas não per­dia a pia­da, co­mo se diz. No en­tan­to era de al­ma le­ve. De­pois da pia­da e o ri­so gai­a­to era ca­paz de man­ter a mes­ma ami­za­de sin­ce­ra de sem­pre. Nu­tria um cer­to sar­cas­mo pe­las au­to­ri­da­des, pe­las pes­so­as bem-pos­tas, pe­los po­e­tas es­ta­be­le­ci­dos, por aque­las que co­mem abó­bo­ra e ar­ro­tam fai­são.

Is­so tal­vez te­nha lhe cus­ta­do ex­tre­ma­men­te ca­ro. Até ho­je, mes­mo pas­sa­do qua­se du­as dé­ca­das de sua mor­te, o po­li­ti­bu­ro li­te­rá­rio e o es­ta­blishment cul­tu­ral go­i­a­no não o en­go­lem. Ape­sar de ter dei­xa­do uma obra con­sis­ten­te, cri­a­ti­va e ful­gu­ran­te, é tra­ta­do co­mo um na­da li­te­rá­rio. Não há quem de di­rei­to que se atre­va a co­men­tá-la. É co­mo se ele ain­da cons­ti­tu­ís­se uma ame­a­ça pai­ran­do ar, que pu­des­se de re­pen­te rou­bar o pe­des­tal de al­guém.

Den­tro da co­men­da Tro­féu Ja­bu­ru, por exem­plo, há uma me­da­lha in­ti­tu­la­da Pio Var­gas de Agi­ta­ção Cul­tu­ral, pro­pos­ta por mim, quan­do es­ti­ve mem­bro do Con­se­lho Es­ta­du­al de Cul­tu­ra. Va­le lem­brar que mé­ri­tos não lhe fal­tam. Ele es­te­ve à fren­te de uma efer­ves­cên­cia cul­tu­ral con­si­de­rá­vel em Go­i­â­nia no fi­nal dos anos 80, prin­cí­pio dos 90, ao edi­tar e di­vul­gar no­vos au­to­res por meio de su­as ir­re­ve­ren­tes edi­ções xé­rox, in­ti­tu­la­das PN (de por­ra ne­nhu­ma). Mas por obra e gra­ça dos aba­fa­do­res de plan­tão, es­sa me­da­lha vem sen­do so­le­ne­men­te es­que­ci­da.

Seu li­vro “Os No­ve­los do Aca­so” foi prê­mio da Bol­sa de Pu­bli­ca­ções Hu­go de Car­va­lho Ra­mos, em 1990, pro­mo­vi­da pe­la UBE, com pa­tro­cí­nio da Pre­fei­tu­ra de Go­i­â­nia. Re­cen­te­men­te dei uma olha­da na lis­ta dos ven­ce­do­res do cer­ta­me des­de 1944. Adi­vi­nhem o que en­con­trei? Exa­ta­men­te a au­sên­cia do no­me de Pio Var­gas da lis­ta dos ga­nha­do­res, nos anais da ins­ti­tu­i­ção. E so­men­te o de­le.

Um dos mais be­los po­e­mas so­bre Go­i­â­nia foi es­cri­to por Pio Var­gas e se cha­ma “Ou­tu­bro ou na­da”. Num li­vro re­la­ti­va­men­te re­cen­te que reú­ne os po­e­mas de di­ver­sas épo­cas que têm Go­i­â­nia co­mo te­ma, es­se do Pio foi pro­vi­den­ci­al­men­te es­que­ci­do. Ape­sar de ter si­do lem­bra­do por oca­si­ão do le­van­ta­men­to. Um ou­tro des­ca­so: A bi­bli­o­te­ca do cen­tro de Cul­tu­ra Ma­ri­e­ta Te­les Ma­cha­do le­va o no­me de Pio Var­gas. No en­tan­to, em seu acer­vo não há uma úni­ca obra sua à dis­po­si­ção dos even­tua­is lei­to­res. Por is­so já foi en­tre­ou­vi­do o se­guin­te di­á­lo­go:

— Quem foi es­se tal de Pio Var­gas?

— Sei lá. De­ve ser al­gum pa­ren­te do Ge­tú­lio Var­gas.

Pio Var­gas foi um ape­deu­to ilus­tra­do. Não che­gou a con­clu­ir o pri­mei­ro grau, mas es­cre­via bem e de­cla­ma­va me­lhor ain­da. Po­rém o bom mes­mo era ver sua agi­li­da­de men­tal, su­as ti­ra­das es­pi­ri­tuo­sas, no ca­lor dos fa­tos. Cer­ta vez, a gen­te to­ma­va cer­ve­ja num bar ba­ca­na em Ipo­rá. Um dos con­vi­vas, re­co­nhe­ci­da­men­te de fa­mí­lia abas­ta­da, por um mo­men­to de mi­u­de­za es­pi­ri­tual, la­men­tou que te­ve de lu­tar mui­to pa­ra che­gar on­de se acha­va, co­meu o pão que o di­a­bo amas­sou, por ser fi­lho de pai po­bre. No que foi pron­ta­men­te in­ter­rom­pi­do pe­lo Pio:

— Se vo­cê é fi­lho de pai po­bre, eu sou fi­lho de “pai pér­ri­mo”. E a gar­ga­lha­da ge­ral in­ter­rom­peu a fal­sa la­mú­ria.

Cer­ta fei­ta um po­e­ta fa­lan­te, au­to­a­lar­de­a­dor e de es­ta­tu­ra agi­gan­ta­da che­gou a um even­to li­te­rá­rio em Ipo­rá. O tal po­e­ta se cha­ma­va Se­mi Gi­drão. Ao se apre­sen­tar ao Pio, ou­viu o co­men­tá­rio:

— Se um se­mi­gi­drão é tu­do is­so, ima­gi­na um gi­drão in­tei­ro!?

Nou­tra vez, quan­do era pre­si­den­te da Co­mis­são Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de, um ór­gão que en­tão exis­tia no PMDB (que era um par­ti­do pro­bo e ide­a­lis­ta na lu­ta con­tra a di­ta­du­ra mi­li­tar), Pio Var­gas foi par­ti­ci­par de uma con­ven­ção em São Pau­lo. Lá foi con­vi­da­do à me­sa de hon­ra, co­mo ti­nha de ser. E quem foi fa­zer a aber­tu­ra do even­to? Ele, o pre­si­den­te do par­ti­do, o Sr. Di­re­tas Já, o pre­si­den­te do Con­gres­so Na­ci­o­nal, o mai­or mi­to de nos­sa His­tó­ria con­tem­po­râ­nea: Ulis­ses Gui­ma­rã­es. Após os pro­le­gô­me­nos de pra­xe o de­pu­ta­do Ulis­ses, já ve­lhi­nho, afir­mou:

—Eu sou um pe­e­me­de­bis­ta his­tó­ri­co... E sem mai­o­res ce­ri­mô­ni­as, Pio Var­gas o in­ter­pe­lou:

— His­tó­ri­co sou eu, pre­si­den­te, o se­nhor é pré-his­tó­ri­co. A gar­ga­lha­da foi ge­ral, in­clu­si­ve do pró­prio Ulis­ses. Daí em di­an­te a con­ven­ção tran­scor­reu no mai­or cli­ma de ale­gria e en­tu­si­as­mo. E a ti­ra­da agra­dou tan­to ao ve­lho Ulis­ses que mui­tas ve­zes de­pois, em oca­si­ões di­ver­sas, afir­mou que era um “pe­e­me­de­bis­ta pré-his­tó­ri­co”.

Dez anos de­pois de a gen­te se co­nhe­cer em Ipo­rá, Pio Var­gas mor­reu em Tur­ve­lân­dia, a 218 km da Ca­pi­tal de Go­i­ás, ví­ti­ma de uma do­se ca­va­lar de al­ca­loi­de. Na noi­te que an­te­ce­deu a sua mor­te, to­mei uma cer­ve­ja com ele num bar­zi­nho em fren­te à sua ca­sa, à Rua 24, no cen­tro de Go­i­â­nia. Eu fa­la­va de meus pro­je­tos, ele fa­la­va dos de­les. E tam­bém de um pro­je­to co­mum. Es­tá­va­mos co­me­çan­do a es­cre­ver um li­vro de po­e­mas a qua­tro mãos: um co­me­ça­va o tex­to e o ou­tro ter­mi­na­va. A au­to­ria era atri­bu­í­da a Gas­par do Val­le, as­sim co­mo Jor­ge Lu­ís Bor­ges e Bi­oy Ca­sa­res es­cre­ve­ram crô­ni­cas e as­si­na­ram com o pseu­dô­ni­mo de Bus­tus Do­mecq. Pio pa­re­cia es­tar com o co­ra­ção con­ges­ti­o­na­do de sen­ti­men­tos con­tra­di­tó­rios. En­tão ele me fa­lou uma coi­sa que não en­ten­di na ho­ra. Que a mor­te tal­vez fos­se uma for­ma de exer­cer a vi­da em sua ple­ni­tu­de, em sua con­di­ção mais ex­pan­di­da. Pen­sei que ele es­ti­ves­se fa­lan­do de uma pos­si­bi­li­da­de po­é­ti­ca, de uma coi­sa me­ta­fó­ri­ca.

Na­que­la noi­te ele ain­da dei­xou com a Edi­le­ne Na­ves, sua mu­lher, um en­ve­lo­pe la­cra­do pa­ra ser en­tre­gue a mim. Den­tro con­ti­nha um li­vro de tí­tu­lo sin­to­má­ti­co: “Tu­do Que é Só­li­do Des­man­cha no Ar” (do americano Mars­hall Berman) e um po­e­ma pa­ra eu com­ple­men­tar. Com sua mor­te no dia se­guin­te, con­cluí que o po­e­ma es­ta­va pron­to. Por­tan­to nun­ca o com­ple­men­tei, e nun­ca vou com­ple­men­tá-lo. É a pri­mei­ra vez que mos­tro es­se po­e­ma, que tem um tí­tu­lo su­ges­ti­vo: “Despertáculo”.

Des­per­tá­cu­lo

Es­tou pron­to
pa­ra a guer­ra que en­con­tro
quan­do acor­do:

bo­tei vi­gia nos sen­ti­dos
e ilu­di com com­pri­mi­dos
ou­tros se­res a meu bor­do.
Aban­do­nei o ví­cio
de es­tar sem­pre
a so­le­trar ru­í­nas,
dei li­ber­da­de a meus de­ten­tos
mi­nha pres­sa di­lu­iu nos pas­sos len­tos
e ras­guei
meu ca­len­dá­rio de ro­ti­nas.

In­ver­ti a or­dem.

Já não saio por aí
a de­vo­rar com­pro­mis­sos,
to­mei pos­se no go­ver­no de mi mes­mo
e der­ro­tei os meus omis­sos.

Ven­ci a ba­ta­lhas
de ter que es­tar sem­pre por per­to,
às ve­zes voo pa­ra den­tro
do meu so­nho a céu aber­to.

Es­tou pron­to:

eu já con­cor­do
com a guer­ra que en­con­tro
quan­do acor­do.

Os sons do ofí­cio

É por­que re­co­lho o vá­rio
no avi­á­rio das vér­te­bras
e me há um si­lo de cé­lu­las
e me há um qua­se-aquá­rio,
que o po­e­ma se me che­ga,
es­tu­á­rio.

Que me im­por­ta
a si­na ju­gu­lar das fa­ses,
a vi­da con­ju­gal das fra­ses
e o sem­blan­te cí­ni­co
das fe­zes,
se não fa­ço po­e­mas
co­mo quem de­fen­de tes­es.

Fa­ço po­e­mas
pa­ra que pas­sem os di­as
e pas­cem os re­ba­nhos
e os oce­a­nos pas­mem
an­te o nau­frá­gio
de to­das as da­tas
no ca­len­dá­rio-la­nho.

Ou se­ja, fa­ço-os
co­mo quem vi­ce­ja
os la­ços do ar­re­mes­so
co­mo quem vis­lum­bra
si­lên­cio nos en­tu­lhos
e apren­deu a es­tru­tu­ra ide­al
pa­ra mon­tar ba­ru­lhos
sob a lín­gua mais ba­nal.

Fa­ço-os
co­mo quem lam­be oá­sis no pla­nal­to,
dei­xa­do pe­las ba­ses
de um sim­ples so­bres­sal­to.

É co­mo se o ego
cou­bes­se in­tei­ro
na de­ter­mi­na­ção de um pre­go
que me fi­xa exí­li­os sob a car­ne
mas que tam­bém acio­na
os ga­ti­lhos do alar­me.

A mu­lher que Que­ro

Eu que­ro uma mu­lher de aço que se­ja le­ve co­mo a pe­na,
cu­jo sor­ri­so se­ja um la­ço
a me pren­der co­mo um po­e­ma.

Eu que­ro uma mu­lher ma­du­ra
a me gui­ar du­ran­te o dia,
quan­do for noi­te ser va­dia
a me do­mar sem ar­ma­du­ra
e a me to­mar co­mo num so­nho,
uma mu­lher que se­ja a lua
den­tro do sol em que me po­nho.

Eu que­ro uma mu­lher de fer­ro
com um aplau­so pra quan­do acer­to
e um per­dão pra quan­do er­ro,
co­mo al­guém que se­ja o bri­lho
den­tro do es­cu­ro em que me en­cer­ro.

Uma mu­lher que se­ja ple­na
uma aman­te de ver­da­de
que se­ja mo­ti­vo de lem­bran­ça
e um in­ter­va­lo na sa­u­da­de
que, di­ur­na, me cu­i­da,
mas que, no­tur­na me in­va­de.

Eu que­ro uma mu­lher-mãe
que se­ja vi­nho, cer­ve­ja,
re­fri­ge­ran­te, cham­pa­nhe,
que me en­ten­da se vi­a­jo
e se fi­co me acom­pa­nhe.

Eu que­ro uma mu­lher to­da
que me edi­fi­que co­mo ho­mem
e al­go de­pois me ex­plo­da.

 
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio