revista bula
POR EM 17/08/2011 ÀS 10:05 PM

Mino Carta vai reescrever o Evangelho

publicado em

O editor de “CartaCapital” anuncia, num antirromance, que é o Senhor da Pureza e ajusta contas com a família de Roberto Civita, que o demitiu da revista “Veja”

Mino CartaQuem diz que o ego do jor­na­lis­ta e pin­tor Mi­no Car­ta, di­re­tor de re­da­ção da re­vis­ta “Car­ta­Ca­pi­tal”, é hi­per­tro­fi­a­do não po­de dei­xar de ser cha­ma­do de aman­te de re­dun­dân­cias. Mi­no Car­ta se acha o mais pu­ro dos ho­mens e, por ex­ten­são, o me­lhor jor­na­lis­ta do Bra­sil, qui­çá do mun­do — de­pois de Clau­dio Abra­mo, di­ria o ita­li­a­no-bra­si­lei­ro. É o que so­bres­sai do ro­man­ce “O Cas­te­lo de Âm­bar” (Re­cord, 400 pá­gi­nas). Es­tra­nhís­si­mo ro­man à clef. Sus­ten­tar que “O Cas­te­lo de Âm­bar” é ro­man­ce tal­vez se­ja mais uma go­za­ção de Mi­no Car­ta.

“O Cas­te­lo de Âm­bar” é o an­ti­rro­man­ce, não no sen­ti­do li­te­rá­rio, ao mo­do de “Fin­ne­gans Wake”, de Ja­mes Joyce, ou de “Aque­la Con­fu­são Lou­ca da Via Me­ru­la­na”, de Car­lo Emi­lio Gad­da, e sim no as­pec­to mais cru: não há li­te­ra­tu­ra ne­nhu­ma no li­vro — só fa­tos, co­zi­dos, é ver­da­de, co­mo quer a ma­lí­cia do au­tor. Mas o jor­na­lis­mo li­te­rá­rio de Mi­no Car­ta é pas­sio­nal: apre­sen­ta a sua ver­são com ên­fa­se e a dos ou­tros, os “ini­mi­gos”, em es­pa­ço mí­ni­mo. O ro­man­ce se­ria li­te­ra­tu­ra ou fu­zi­la­ria? Talvez vendeta.

Se “O Cas­te­lo de Âm­bar” é es­tra­nho, por­que Mi­no Car­ta ten­ta trans­for­mar a re­a­li­da­de em fic­ção, pa­ra que a re­a­li­da­de se tor­ne ao olho do lei­tor ain­da mais cho­can­te, os re­sul­ta­dos são pí­fios. Mui­ta gen­te cer­ta­men­te vai bus­car em al­gu­ma re­por­ta­gem ou re­se­nha os no­mes ver­da­dei­ros por trás dos per­so­na­gens. So­bre­tu­do jor­na­lis­tas. O lei­tor co­mum ten­de a se dis­tan­ci­ar de uma obra que, ten­tan­do ser fic­ção, não é mais do que um re­tra­to, ab­so­lu­ta­men­te res­sen­ti­do, da re­a­li­da­de. O que é fic­ção e o que é fa­to no li­vro de Mi­no Car­ta? Na­da é fic­ção. Tu­do é re­a­li­da­de. Es­te, o re­ca­do do au­tor. Mas tudo é verdade?

Te­ria si­do mais ade­qua­do se, na ca­pa, no lu­gar da pa­la­vri­nha “ro­man­ce”, a edi­to­ra co­lo­cas­se me­mó­ri­as. Mi­no Car­ta quer evi­tar pro­ces­sos ju­di­ci­ais? De­cer­to não — tan­to que é du­rís­si­mo com a fa­mí­lia Ci­vi­ta, Vic­tor, o ca­po fa­le­ci­do, e, so­bre­tu­do, Ro­ber­to (que ele cha­ma de Ro­bert). O li­vro, a ri­gor, é um ajus­te de con­tas, pe­la ené­si­ma vez — não há uma en­tre­vis­ta na qual Mi­no Car­ta não execre Ro­ber­to Ci­vi­ta, o “Ne­ro” bra­si­lei­ro, na acep­ção do edi­tor da “Car­ta­Ca­pi­tal” —, com os Ci­vi­ta, al­guns mi­li­ta­res e Ar­man­do Fal­cão.

A res­pei­to de Vic­tor Ci­vi­ta, Mi­no Car­ta era até cor­dial, ago­ra, ele o ata­ca du­ra­men­te. Con­ta de sua sun­ga mi­nús­cu­la, não apro­pria­da pa­ra a ida­de, e, de le­ve, apon­ta uma “sus­pei­ta” de ho­mos­se­xu­a­li­da­de. Sus­pei­ta, va­le fri­sar. Por­que, se­gun­do Mi­no Car­ta, o ve­lho Vic­tor era até in­dis­cre­to com as mu­lhe­res.

No Bra­sil, há a ten­dên­cia de o jor­na­lis­ta, por sa­ber es­cre­ver cor­re­ta­men­te, jul­gar que de­ve ser es­cri­tor. No ca­so de Mi­no Car­ta, co­mo em ou­tros, fi­ca evi­den­ci­a­do que não bas­ta es­cre­ver bem. É pre­ci­so ter ima­gi­na­ção li­te­rá­ria. As fra­ses cur­tas lem­bram, ao lon­ge, a pro­sa do ame­ri­ca­no Er­nest He­mingway, que apren­deu a es­cre­ver co­pi­an­do ma­nu­ais de re­da­ção de jor­nal e, se­gun­do o crí­ti­co Ed­mund Wil­son, ob­ser­van­do a li­te­ra­tu­ra en­xu­ta de Mark Twain. De per­to, lem­bram mes­mo jor­na­lis­mo, es­pe­ci­al­men­te o jor­na­lis­mo de re­vis­ta, com um pé no fa­to e ou­tro na opi­ni­ão, es­ta, qua­se sem­pre, de­vo­ran­do aque­le.

Os pu­xa-tu­do — que ado­ram elo­gi­ar li­vros de co­le­gui­nhas — di­zem que se tra­ta de um gran­de ro­man­ce, o que é in­tei­ra­men­te fal­so, do co­me­ço ao fim. Co­mo Mi­no Car­ta é di­re­tor de re­da­ção de uma re­vis­ta im­por­tan­te, a “Car­ta­Ca­pi­tal, na cer­ta ain­da vai apa­re­cer um crí­ti­co da estirpe de Antonio Candido ga­ran­tin­do que o au­tor é um ro­man­cis­ta de mão cheia, o Bal­zac dos tró­pi­cos. Fe­liz­men­te, até ago­ra não apa­re­ceu. Ro­ber­to Schwarz, um crí­ti­co res­pei­tá­vel, te­ve co­ra­gem de ga­ran­tir que “Es­tor­vo”, de Chi­co Bu­ar­que, é um gran­de ro­man­ce. A crí­ti­ca de Schwarz é de pri­mei­ra, e diz res­pei­to a um li­vro ine­xis­ten­te. A obra de Chi­co Bu­ar­que, de ter­cei­ra.

Há li­vros de me­mó­ri­as jor­na­lís­ti­cas bem me­lho­res do que “O Cas­te­lo de Âm­bar”. O li­vro de Mi­no Car­ta per­de, por exem­plo, pa­ra as me­mó­ri­as “Mi­nha Ra­zão de Vi­ver”, de Sa­mu­el Wai­ner (o ghost wri­ter é Au­gus­to Nu­nes), e pa­ra a bi­o­gra­fia “Cha­tô — o Rei do Bra­sil”, de Fer­nan­do Mo­ra­is. Sa­mu­el Wai­ner não se mos­tra ape­nas co­mo um gran­de ho­mem — o res­pon­sá­vel pe­la vol­ta do “ve­lhi­nho” Ge­tú­lio Var­gas à po­lí­ti­ca; ad­mi­te que, pa­ra fa­zer jor­nal, é pre­ci­so uma go­ta (em al­guns ca­sos, um oce­a­no) de ca­fa­jes­tis­mo e opor­tu­nis­mo. Fer­nan­do Mo­ra­is po­de­ria ter trans­for­ma­do o em­pre­sá­rio e jor­na­lis­ta As­sis Cha­te­a­u­bri­and, o Cha­tô, num an­jo ou de­mô­nio. Mas sou­be es­ca­par ao ma­ni­queís­mo, do qual não po­de­mos fu­gir sem­pre, e trou­xe à luz um Cha­tô mul­ti­fa­ce­ta­do: an­jo (quan­do cons­tru­iu o Masp) e de­mô­nio (ao li­dar com a vi­da em ge­ral). As con­tra­di­ções de Cha­tô fo­ram cap­ta­das com mes­tria. Es­tão to­das, ou qua­se, no li­vro edi­ta­do pe­la Com­pa­nhia das Le­tras. Fa­ço um re­pa­ro: o nos­so Ci­da­dão Ka­ne (Ro­ber­to Ma­ri­nho era mais fleu­má­ti­co, mas não ti­nha o tu­ta­no de Cha­tô. Ca­dê o Masp do ho­mem que cons­tru­iu o im­pé­rio Glo­bo?) me­re­ce uma bi­o­gra­fia de­cen­te (a es­cri­ta por Pe­dro Bi­al, jor­na­lis­ta da TV Glo­bo, é me­ra ha­gi­o­gra­fia), mas Ge­tú­lio Var­gas, mui­to mais com­ple­xo, e ab­so­lu­ta­men­te mal ex­pli­ca­do pe­los his­to­ri­a­do­res, me­re­ce uma bi­o­gra­fia tão sé­ria e bem es­cri­ta quan­to a do ve­lho es­cro­que. Ge­tú­lio Vargas es­tá à es­pe­ra de um bi­ó­gra­fo de­cen­te, co­mo Fernando Mo­ra­is (quan­do não es­tá apai­xo­na­do por Fi­del Cas­tro). O jor­na­lis­ta Li­ra Ne­to, de­pois de ter es­cri­to ex­ce­len­tes bi­o­gra­fias do pre­si­den­te Cas­tel­lo Bran­co, do es­cri­tor Jo­sé Alen­car e do Pa­dre Cí­ce­ro, vai pu­bli­car a bi­o­gra­fia de Ge­tú­lio Var­gas, em três vo­lu­mes, pe­la Com­pa­nhia das Le­tras. O pri­mei­ro vo­lu­me da tri­lo­gia sai em 2012.

En­quan­to o crí­ti­co mais fa­mo­so não apa­re­ce, os epí­go­nos se põ­em em evi­dên­cia com elo­gi­os ao Mes­tre, o ho­mem per­fei­to. Pe­na que não te­nha si­do des­co­ber­to pe­las re­li­gi­ões (ex­ce­to a pe­tis­ta): Mi­no Car­ta é o Je­sus Cris­to da im­pren­sa bra­si­lei­ra. A ves­tal da ho­ra. Sim, acre­di­te! Nir­lan­do Bei­rão, na re­vis­ta “Bra­vo!” (ca­da dia mais bo­ni­ti­nha mas, em con­te­ú­do, or­di­ná­ria), es­cre­veu que Mi­no Car­ta é “o úl­ti­mo ilu­mi­nis­ta”. Não é só o fim da pi­ca­da — é o fim do mun­do. Os “os­sos” de Di­de­rot e Vol­tai­re, e tal­vez os de Rous­se­au, ten­ta­ram sa­ir da tum­ba pa­ra sur­rar, pe­las bei­ra­das, o jor­na­lis­ta Nir­lan­do. Isai­ah Ber­lin, o fi­ló­so­fo, con­ven­ceu-os, os “os­sos”, de que era uma ta­re­fa bas­tar­da e in­gló­ria.

Nir­lan­do Bei­rão cer­ta­men­te nun­ca leu Bal­zac, e não ape­nas o de “Ilu­sões Per­di­das”, ou não sa­be o va­lor de sua obra, pois es­cre­ve: “Em Mi­no Car­ta, co­mo em Ho­no­ré de Bal­zac, a fic­ção é o me­lhor es­pe­lho do re­al”. A fra­se fei­ta, de efei­to, na­da diz so­bre o au­tor de “O Cas­te­lo de Âm­bar”, que, cla­ro, não é o nos­so Bal­zac. Não te­mos um Bal­zac. O ex­ce­len­te me­mo­ri­a­lis­ta Pe­dro Na­va apro­xi­ma-se mais de Proust, in­clu­si­ve na pre­ci­são es­ti­lís­ti­ca e na im­pre­ci­são his­tó­ri­ca, ain­da que não se distancie totalmente de Bal­zac.

“O Cas­te­lo de Âm­bar” não é, cla­ro, um li­vro pés­si­mo, des­car­tá­vel. Mas não é a no­na ma­ra­vi­lha da li­te­ra­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal, co­mo o quer Nir­lan­do Bei­rão. É ide­al pa­ra jor­na­lis­tas, so­bre­tu­do pa­ra aque­les que se in­te­res­sam por fo­fo­cas so­bre jor­na­lis­tas e, às ve­zes, po­lí­ti­cos. Co­mo não é um ro­man­ce, o lei­tor po­de abrir em qual­quer “ca­pí­tu­lo”, que fun­cio­na co­mo pe­ça in­de­pen­den­te, e es­que­cer os ou­tros. Há pou­co ne­xo en­tre as “par­tes”. Em Ju­lio Cor­tá­zar, que po­de­ria ser ci­ta­do pa­ra efei­to de com­pa­ra­ção, há sem­pre “sen­ti­do” quan­do se jun­ta as par­tes. Por­que Cor­tá­zar faz li­te­ra­tu­ra, não me­mó­ri­as dis­far­ça­das.  

A cabeça de Mino foi um presente de Civita a Falcão

Roberto CivitaMi­no Car­ta é um jor­na­lis­ta de mé­ri­to. Fez as re­vis­tas “Qua­tro Ro­das” — em­bo­ra nun­ca te­nha di­ri­gi­do um ve­í­cu­lo —, “Ve­ja”, “Is­toÉ”, “Car­ta­Ca­pi­tal” e o “Jor­nal da Re­pú­bli­ca” (seu úni­co e ro­tun­do fra­cas­so).

O ca­pí­tu­lo “Um con­to, ape­nas”, em 44 pá­gi­nas, re­gis­tra os con­fli­tos de Mi­no Car­ta com a fa­mí­lia Civita, de quem se tor­nou ini­mi­go fi­ga­dal, per­do­an­do tão-so­men­te Sil­va­na (mu­lher de Vic­tor Ci­vi­ta, o che­fão já fa­le­ci­do) e Ri­chard, es­te pe­la fran­que­za (e tal­vez por não ter a mes­ma im­por­tân­cia de Ro­ber­to).

Em ja­nei­ro de 1974, Mi­no era um pres­ti­gi­a­do di­re­tor de re­da­ção, um jor­na­lis­ta que fa­la­va com mi­nis­tros, ge­ne­ra­is e em­pre­sá­rios com fa­ci­li­da­de. Ga­nha­va um sa­lá­rio ex­ce­len­te, ti­nha mo­to­ris­ta par­ti­cu­lar, vi­a­ja­va pa­ra o ex­te­ri­or com fre­quên­cia (por con­ta da Edi­to­ra Abril). Ao acei­tar di­ri­gir a re­vis­ta “Ve­ja”, dei­xan­do o “Jor­nal da Tar­de” (es­pé­cie de “JB” de São Pau­lo, em ter­mos de in­ven­ti­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca. Ho­je, o “JT” é um jor­nal de se­gun­da ca­te­go­ria, co­mo o “JB”), Mi­no Car­ta as­si­nou um pro­to­co­lo com os Ci­vi­ta. “No dia-a-dia, os Ci­vi­ta não te­ri­am in­ter­fe­rên­cias e só po­de­ri­am dis­cu­tir ca­da edi­ção de­pois de pu­bli­ca­da.” Um ca­so ra­rís­si­mo de con­tro­le de uma re­da­ção pe­lo edi­tor, o que, ho­je, não pa­re­ce ser mais pos­sí­vel, pois jor­na­lis­mo não tem mais ne­nhu­ma au­ra ro­mân­ti­ca — é ne­gó­cio, co­mo qual­quer ou­tro.

Ita­li­a­no, Vic­tor Ci­vi­ta quis se en­tur­mar com a eli­te pau­lis­ta e pe­diu a Mi­no Car­ta que con­vi­das­se Ruy Mes­qui­ta, do “Jor­nal da Tar­de”-“Es­ta­dão”, pa­ra um jan­tar. Ao fi­nal, de­pois de pro­var vá­ri­as be­bi­das ser­vi­das pe­los no­vos ri­cos (ain­da que en­di­vi­da­dos), Ruy Mes­qui­ta saiu xin­gan­do. “Fi­lhos da pu­ta, ame­ri­ca­nó­fi­los até a me­du­la, qual­quer um sa­be, e fi­cam aí lou­van­do um pa­pa co­mu­nis­ta por pu­ro mo­dis­mo.” Os Ci­vi­ta elo­gi­a­ram o pa­pa Jo­ão XXI­II — que, co­mo se sa­be fo­ra da fa­mí­lia Mes­qui­ta, na­da ti­nha de co­mu­nis­ta. Adolpho Bloch era mais con­tun­den­te, na ver­são de Mi­no Car­ta: “Em lu­gar de lhes pro­nun­ci­ar o so­bre­no­me, di­zia ‘os ca­gões’ co­mo se fos­se si­nô­ni­mo. O pai de Mi­no os via de ou­tra ma­nei­ra. ‘Es­te Ro­bert é um dos pou­cos ju­deus nés­cios que co­nhe­ci na vi­da’” (ah, quem nar­ra a his­tó­ria é Mer­cú­cio Par­la, al­ter ego de Mi­no Car­ta). Pois o “nés­cio” di­ri­ge a prin­ci­pal re­vis­ta bra­si­lei­ra, com cir­cu­la­ção bem su­pe­ri­or à da “Épo­ca”, “Is­toÉ” e “Car­ta­Ca­pi­tal”.

Fa­zer “Ve­ja”, nos pri­mei­ros tem­pos, foi uma guer­ra. Na ver­são di­re­ta de seu cri­a­dor: “A re­vis­ta ‘Ve­ja’ te­ve di­as e anos di­fí­ceis des­de o lan­ça­men­to. Pri­mei­ro, por­que re­pre­sen­ta­va um mo­de­lo de pu­bli­ca­ção des­co­nhe­ci­do do cha­ma­do gran­de pú­bli­co. Se­gun­do, por­que, pa­ra com­pli­car as coi­sas, Mi­no Car­ta e a re­da­ção le­va­ram mui­to tem­po pa­ra acer­tar a mão. Ter­cei­ro, por­que a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca, que já era pés­si­ma, com­pli­cou-se ain­da mais três mes­es de­pois da es­treia. Sem con­tar que o no­me, ‘Ve­ja’, im­pos­to pe­lo ‘chair­man’ [Vic­tor Ci­vi­ta], su­ge­ria uma re­vis­ta ilus­tra­da, quan­do seu ob­je­ti­vo era ser li­da”.  

Cen­su­ra e Mil­lôr

Mil­lôrMas em 1974, 1975, ape­sar da cen­su­ra, a “Ve­ja” já era con­si­de­ra­da co­mo uma re­vis­ta “sé­ria” — ela “con­ta­va”. Por is­so, Ar­man­do Fal­cão, mi­nis­tro da Jus­ti­ça do go­ver­no de Er­nes­to Gei­sel, mar­cou um en­con­tro com Mi­no Car­ta, no Rio de Ja­nei­ro. Mi­no Car­ta per­gun­tou so­bre o fim da cen­su­ra em “Ve­ja”. Fal­cão te­ria di­to: “Con­fir­mo, sai lo­go”. Em no­va con­ver­sa, em Bra­sí­lia, Fal­cão te­ria as­se­gu­ra­do: “Pa­ra ‘Ve­ja’ a cen­su­ra aca­bou”.

Mi­no Car­ta vol­ta à re­da­ção, em­pol­ga­do. E “... man­da ti­rar da ga­ve­ta uma re­por­ta­gem pron­ta há al­gum tem­po. Con­ta, em tex­to sub­stan­ti­vo, olím­pi­co, a vi­da de al­guns exi­la­dos ilus­tres cas­sa­dos em 1964, ocu­pa du­as pá­gi­nas na pri­mei­ra edi­ção sem cen­su­ra, e é ilus­tra­da pe­la fo­to do lí­der es­quer­dis­ta Le­o­nel Bri­zo­la, abra­ça­do a um cor­dei­ri­nho”. Os mi­li­ta­res fi­ca­ram ir­ri­ta­dos.

“Na edi­ção se­guin­te, que co­in­ci­de com o dé­ci­mo ani­ver­sá­rio do gol­pe, a ca­pa exi­be um xis de aço, o dez dos ro­ma­nos, lí­vi­do em cli­ma som­brio. ‘Ve­ja’ faz a aná­li­se de uma dé­ca­da de di­ta­du­ra, aná­li­se cau­te­lo­sa, mas crí­ti­ca”, re­la­ta Mi­no Car­ta. O di­re­tor res­pon­sá­vel de “Ve­ja”, Ed­gard de Sil­vio Fa­ria, avi­sa: “Os ho­mens não gos­ta­ram, me­nos ain­da que da re­por­ta­gem dos exi­la­dos”. Ou­tra edi­ção é apre­en­di­da nas ban­cas. Os mi­li­ta­res se ir­ri­ta­ram com uma char­ge de Mil­lôr Fer­nan­des. “Ce­na de mas­mor­ra: es­com­bro de ser hu­ma­no pen­du­ra­do na pa­re­de co­mo Cris­to na cruz, de fres­ta na por­ta da ce­la sai um ba­lão e ne­le se lê: ‘Na­da cons­ta’.”

A cen­su­ra vol­ta à re­da­ção. O ge­ne­ral Gol­bery do Cou­to e Sil­va, che­fe da Ca­sa Ci­vil de Gei­sel, vo­ci­fe­ra: “Vo­cês saí­ram da li­nha, co­lhe­ram o que se­me­a­ram”.

Num en­con­tro com Gol­bery, do qual par­ti­ci­pa­ram Mi­no Car­ta e Ro­ber­to Ci­vi­ta, es­te per­gun­ta: “Gos­ta­ria de per­gun­tar ao se­nhor mi­nis­tro se tem al­gu­ma ob­je­ção em re­la­ção a Mil­lôr Fer­nan­des”. A res­pos­ta se­ca de Gol­bery: “Se­nhor Ci­vi­ta, não es­ta­mos pe­din­do a ca­be­ça de nin­guém e mui­to me­nos eu a pe­di­ria”. Ro­ber­to Ci­vi­ta ha­via ido a Bra­sí­lia pa­ra ser­vir a ca­be­ça de Mil­lôr, mas Gol­bery não quis “co­mê-la”. É a ver­são de Mi­no Car­ta.

Ou­vi­do pe­la ex­tin­ta re­vis­ta “Re­pú­bli­ca” — que deu ca­pa pa­ra Mi­no Car­ta —, a res­pei­to das vá­ri­as crí­ti­cas, Ro­ber­to Ci­vi­ta diz que o jor­na­lis­ta de­li­ra. Sua de­fe­sa: “Só pos­so la­men­tar que, à me­di­da que os anos avan­çam, a me­mó­ria de Mi­no vai en­fra­que­cen­do e as su­as fan­ta­si­as, au­men­tan­do. O que ele diz, além de ri­dí­cu­lo e ofen­si­vo, não tem ne­nhu­ma re­la­ção com a ver­da­de e mui­to me­nos com a ho­no­ra­bi­li­da­de da fa­mí­lia Ci­vi­ta e com a for­ma ele­gan­te com que ele sem­pre foi tra­ta­do”. O diretor de redação da “Folha de S. Paulo”, Ota­vio Fri­as Fi­lho, Ota­vi­nho, que Mi­no Car­ta cha­ma de “bes­ta, um ser sub­do­lo­so e even­tual­men­te mau”, tam­bém ata­ca: “Não te­nho res­pei­to mo­ral nem in­te­lec­tu­al por Mi­no Car­ta, que con­si­de­ro uma me­di­o­cri­da­de em­plu­ma­da. A ob­ses­são des­se su­jei­to co­mi­go é as­sun­to pa­ra psi­qui­a­tras”. Mi­no Car­ta cos­tu­ma es­cre­ver que Clau­dio Abra­mo fez a re­vo­lu­ção que tor­nou a “Fo­lha de S. Pau­lo” o mai­or jor­nal do Bra­sil, pe­lo me­nos em cir­cu­la­ção, mas que Ota­vi­nho Fri­as fi­cou com os lou­ros.  

Crí­ti­co de­mais

As em­pre­sas jor­na­lís­ti­cas, co­mo qua­is­quer ou­tras, são cons­tru­í­das, em ge­ral, com ba­se em re­cur­sos pú­bli­cos. Foi o ca­so do jor­nal “Úl­ti­ma Ho­ra”, de Sa­mu­el Wai­ner, e da Aris­co. A em­pre­sa go­i­a­na, de­pois ven­di­da pa­ra uma mul­ti­na­ci­o­nal (os ex-do­nos da extinta Arisco cri­a­ram o gru­po Hyper­mar­cas, uma po­tên­cia bra­si­lei­ra), foi ala­van­ca­da pe­lo in­cen­ti­vo fis­cal Fo­men­tar (o no­vo no­me é Pro­du­zir). Até o pro­je­to, de 1984, é seu, ad­mi­tiu Jo­ão Al­ves de Quei­roz Jú­ni­or, em en­tre­vis­ta à re­vis­ta “Exa­me”.

Com o Gru­po Abril não foi e não é di­fe­ren­te. Re­la­ta Mi­no Car­ta: “Pa­ra cons­tru­ir o avan­ta­ja­do edi­fí­cio à bei­ra do rio [Ti­e­tê] e mon­tar uma grá­fi­ca de por­te alen­ta­do, a Abril con­tra­í­ra dí­vi­das vul­to­sas jun­to a ins­ti­tu­i­ções fi­nan­cei­ras es­tran­gei­ras. Al­go em tor­no de 50 mi­lhões de dó­la­res, mo­e­da dos EUA, em cur­so no im­pé­rio. Uma for­tu­na. Ago­ra os Ci­vi­ta pre­ten­di­am con­so­li­dar a dí­vi­da no pa­ís e pa­ra tan­to so­li­ci­ta­vam um em­prés­ti­mo — equi­va­len­te a 50 mi­lhões de dó­la­res em mo­e­da na­ci­o­nal — da Cai­xa Eco­nô­mi­ca Fe­de­ral, pre­si­di­da por Kar­los Ri­eschbi­e­ter”. (De­pois, par­te da im­pren­sa ain­da cri­ti­ca o em­prés­ti­mo, que não saiu, pa­ra o Pão de Açú­car ten­tar fun­dir-se ao Car­re­four.)

Se o plei­to era le­gí­ti­mo, co­mo re­co­nhe­ce Mi­no Car­ta, ha­via o as­pec­to po­lí­ti­co. “A so­li­ci­ta­ção par­tia de uma em­pre­sa de co­mu­ni­ca­ção que pu­bli­ca­va uma re­vis­ta de in­for­ma­ção sub­me­ti­da à cen­su­ra do re­gi­me.”

Ao sa­ber do em­prés­ti­mo, o mi­nis­tro Ar­man­do Fal­cão es­tri­lou: “Epa, que his­tó­ria é es­sa? Co­mo é pos­sí­vel aju­dar a edi­to­ra des­ta ‘Ve­ja’, ini­mi­ga da gen­te?”

O di­re­tor da Abril em Bra­sí­lia, Pom­peu de Sou­za, man­dou uma car­ta ater­ra­do­ra pa­ra Ed­gard de Fa­ria: “Es­te em­prés­ti­mo não vai sa­ir nun­ca”, te­ria di­to Fal­cão ao jor­na­lis­ta. Fal­cão te­ria acres­cen­ta­do: “Que es­pe­ram pa­ra se li­vrar do Mi­no? Mi­no é co­di­no­me, ele se cha­ma mes­mo é De­me­trio”. De fa­to, De­me­trio é o no­me de Mi­no. O ape­li­do era Mi­ti­no. De­me­trio vi­rou Mi­no aos 15 anos.

Tem­pos de­pois, a cri­se re­cru­des­ceu. Os mi­li­ta­res pe­di­ram a ca­be­ça de Plí­nio Mar­cos, que as­si­na­va uma co­lu­na na “Ve­ja”. Es­cre­ve Mi­no Car­ta: “A cen­su­ra es­tá pa­ra sa­ir de ‘Ve­ja’, ga­ran­te Vi­ci [Vic­tor Ci­vi­ta], a de­mis­são de Plí­nio Mar­cos é o que fal­ta pa­ra en­cer­rar o as­sun­to”.

Mi­no Car­ta não quis de­mi­tir Plí­nio Mar­cos e aca­bou afas­ta­do. “E foi pro­i­bi­do seu aces­so ao Edi­fí­cio Abril.”

Aten­den­do pro­pos­ta da “di­plo­ma­ta” Dor­rit Ha­ra­zim, Mi­no Car­ta acei­tou um en­con­tro com Ro­ber­to Ci­vi­ta. Es­te con­tou: “Fal­cão co­men­tou que vo­cê [Mi­no] é crí­ti­co de­mais em re­la­ção ao go­ver­no e, em ge­ral, mui­to mal-hu­mo­ra­do”. O que mais ir­ri­tou Mi­no Car­ta é que Ro­ber­to Ci­vi­ta con­cor­dou com as crí­ti­cas de Fal­cão. Por is­so, gri­tou: “Saia, já. Um, dois...” O jor­na­lis­ta re­la­ta que, ao pro­nun­ci­ar três, “ou­viu a por­ta do ele­va­dor que se fe­cha­va”.

Ten­tan­do che­car “tu­do”, Mi­no Car­ta pro­cu­rou o mi­nis­tro Ar­man­do Fal­cão, que te­ria es­cla­re­ci­do: “Ele­men­tar, ele­men­tar: eu re­ce­bia aqui qua­tro di­re­to­res da Abril, Vic­tor Ci­vi­ta, Ro­bert Ci­vi­ta, Ed­gard de Sil­vio Fa­ria e Pom­peu de Sou­za. Os qua­tro re­pe­ti­ram, dois anos a fio, que a ‘Ve­ja’ es­ta­va con­tra a gen­te por sua cau­sa. En­tão, per­gun­to: que te­ria de fa­zer? Meu ca­ro, não ti­nha al­ter­na­ti­va”. Por que Mi­no Car­ta acre­di­ta mais na ver­são de Ar­man­do Fal­cão? Tal­vez se­ja mais con­ve­nien­te.

Mi­no Car­ta saiu da re­vis­ta e, “dois mes­es após, a cen­su­ra aca­bou em ‘Ve­ja’ e a Abril re­ce­beu o em­prés­ti­mo”.

O “re­pór­ter” Mi­no Car­ta faz uma de­nún­cia gra­ve, que, po­rém, ele pró­prio não pro­cu­rou apu­rar: “Ha­via o zun­zum de que Ed­gard [de Sil­vio Fa­ria] ti­nha li­ga­ções com fi­gu­ras da re­pres­são”. Tal­vez pa­ra se li­vrar de pro­ces­so, Mi­no Car­ta res­sal­va: “Mi­no, no en­tan­to, não dis­pu­nha de pro­vas a res­pei­to e não se con­ten­ta­va com sus­pei­tas”. Mas, afi­nal, ca­dê o Mi­no Car­ta re­pór­ter?

Os tem­pos mu­da­ram. A “Ve­ja” se tor­nou mais crí­ti­ca em re­la­ção ao po­der. A “Car­ta­Ca­pi­tal”, sob con­tro­le de Mi­no Car­ta, se tor­nou uma es­pé­cie de por­ta-voz ofi­ci­o­sa dos go­ver­nos do PT. Mi­no Car­ta, aos 78 anos, fi­cou pa­re­ci­do com Ro­ber­to Ci­vi­ta — ou Ro­ber­to Ci­vi­ta fi­cou mais pa­re­ci­do com o Mi­no Car­ta do pas­sa­do? A res­pos­ta é do lei­tor.

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2019 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio