revista bula
POR EM 30/09/2012 ÀS 07:28 PM

Japoneses praticaram canibalismo na Segunda Guerra Mundial

publicado em

Antony Beevor lançou na Eu­ropa o que está sendo consi­derado um de seus mais im­portantes livros, “A Segunda Guerra Mun­dial”, com 1200 páginas. O filósofo John Gray escreveu, no “New Statesman”: “Esta é a narração mais completa e objetiva sobre o curso da guerra. E a mais comovedoramente humana que já se es­creveu”. O historiador Max Has­tings disse, no “Sunday Ti­mes”: “Ninguém sabe melhor que Beevor como traduzir a dura matéria da história militar em um drama humano vivo, co­movedor e impactante”.

Pesquisador infatigável, e não um mero consultor da bibliografia, Beevor descobriu que militares japoneses usavam prisioneiros de guerra como “gado”. Segundo resenha de Guillermo Altares, do “El País”, “eles eram mantidos com vida só para serem assassinados, um a um, com o objetivo de serem devorados”. Era “uma estratégia militar sistemática e organizada”. Não era um ato isolado. Entre as vítimas estavam papuenses, australianos e norte-americanos.

Os Aliados, embora informados da história, optaram pelo silêncio, para não chocar as fa­mílias dos militares mortos. Al­tares relata que, para Beevor, a Segunda Guerra Mundial “não começa com a invasão da Polônia, e sim um mês antes e em outra parte do mundo, em agosto de 1939, no rio Khalkin-Gol. Aquela batalha, na qual o Exército Vermelho derrotou os japoneses na Manchúria, demonstrou que Zukhov era um dos grandes generais soviéticos e significou uma grande lição para Tóquio, que abandonou a intenção de abrir uma segunda frente na Sibéria. Se Stálin tivesse que proteger sua retaguarda no Extremo Oriente, o conflito talvez tivesse sido muito diferente”.

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2018 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio