revista bula
POR EM 15/05/2009 ÀS 06:22 PM

Historiador diz que participação do Brasil na Segunda Guerra não foi simbólica

publicado em

Bo­na­lu­me Ne­to acer­ta quan­do diz que Wil­li­am Wa­ack se­gue a ma­nia de al­guns bra­si­lei­ros: tu­do que vem do “es­tran­gei­ro” é ver­da­de in­con­tes­tá­vel 
 

William Waack
William Waack
 
O po­e­ta e jor­na­lis­ta Car­los Wil­li­an me pe­de uma lis­ta mí­ni­ma de li­vros so­bre a par­ti­ci­pa­ção do Bra­sil na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al.

O lei­tor, se ini­ci­an­te, de­ve co­me­çar pe­lo opús­cu­lo (mui­to bom) “Os Bra­si­lei­ros e a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al” (Jor­ge Za­har, 78 pá­gi­nas), do dou­tor em his­tó­ria pe­la USP Fran­cis­co Cé­sar Fer­raz. O his­to­ri­a­dor diz que, “em um ba­lan­ço so­bre a atu­a­ção da FEB [For­ça Ex­pe­di­cio­ná­ria Bra­si­lei­ra] em com­ba­te, seu de­sem­pe­nho po­de ser equi­pa­ra­do ao das me­lho­res uni­da­des ali­a­das en­vol­vi­das na fren­te ita­li­a­na” (pá­gi­na 65).

Cé­sar Fer­raz acres­cen­ta: “Pes­qui­sas his­tó­ri­cas sé­rias, com me­to­do­lo­gi­as ade­qua­das, e que ten­tam man­ter-se dis­tan­tes de pre­con­cei­tos, mos­tra­ram que, se a atu­a­ção bra­si­lei­ra não foi de­ci­si­va pa­ra a vi­tó­ria dos Ali­a­dos na Itá­lia — e ja­mais po­de­ria ser a de qual­quer di­vi­são de exér­ci­to iso­la­da, em meio a ou­tras 23 di­vi­sões no mes­mo Te­a­tro de Ope­ra­ções — tam­pou­co sua im­por­tân­cia foi nu­la. (...) É tam­bém um er­ro afir­mar que a par­ti­ci­pa­ção bra­si­lei­ra, com pou­co mais de 25 mil ho­mens, foi ‘sim­bó­li­ca’” (pá­gi­na 71).

“A Nos­sa Se­gun­da Guer­ra: Os Bra­si­lei­ros em Com­ba­te — 1942-1945” (Ex­pres­são e Cul­tu­ra, 224 pá­gi­nas), do jor­na­lis­ta Ri­car­do Bo­na­lu­me Ne­to, é uma obra sé­ria e equi­li­bra­da. Tra­ba­lho de re­pór­ter com vo­ca­ção pa­ra his­to­ri­a­dor. Não li, mas di­zem que é bom: “On­de Es­tão Nos­sos He­róis? — Uma Bre­ve His­tó­ria dos Bra­si­lei­ros na Se­gun­da Guer­ra”, de Ce­sar Cam­pi­a­ni Ma­xi­mi­a­no. O li­vro mais po­lê­mi­co é “As Du­as Fa­ces da Gló­ria — A FEB Vis­ta Pe­los Seus Ali­a­dos e Ini­mi­gos” (No­va Fron­tei­ra, 250 pá­gi­nas), de Wil­li­am Wa­ack. Com ba­se em do­cu­men­tos ale­mã­es e ame­ri­ca­nos, ten­ta des­mo­ra­li­zar a FEB. Bo­na­lu­me Ne­to acer­ta quan­do diz que Wa­ack se­gue a ma­nia de al­guns bra­si­lei­ros: tu­do que vem do “es­tran­gei­ro” é ver­da­de in­con­tes­tá­vel.

O dou­to­ra­do de Cé­sar Fer­raz não foi pu­bli­ca­do, mas pre­su­mo que sua pes­qui­sa se­ja ri­ca: “A Guer­ra Que Não Aca­bou: A Re­in­te­gra­ção So­ci­al dos Ve­te­ra­nos da For­ça Ex­pe­di­cio­ná­ria Bra­si­lei­ra, 1945-2000”. Ele a de­fen­deu na USP, um cen­tro de ex­ce­lên­cia aca­dê­mi­ca.

“O Bra­sil na II Gran­de Guer­ra” (Bi­bli­o­te­ca do Exér­ci­to), de Ma­no­el Tho­maz Cas­te­lo Bran­co, é, se­gun­do Bo­na­lu­me Ne­to, “uti­lís­si­mo pa­ra se acom­pa­nhar a cam­pa­nha”. Ou­tro li­vro elo­gi­a­do pe­lo jor­na­lis­ta é “A Ma­ri­nha do Bra­sil na Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al” (Ca­pe­mi Edi­to­ra), de Ar­tur Os­car Sal­da­nha da Ga­ma. O his­to­ri­a­dor ame­ri­ca­no Frank McCann diz que “De­poi­men­tos de Ofi­ci­ais da Re­ser­va So­bre a FEB” (de 1949) é “um dos li­vros mais úte­is so­bre a FEB”. McCann, por si­nal, é um dos crí­ti­cos do li­vro exa­ge­ra­do de Wa­ack.

Bo­ris Schnai­der­man, o de­ca­no dos tra­du­to­res do rus­so no Bra­sil, lu­tou na guer­ra e es­cre­veu o ro­man­ce “Guer­ra em Sur­di­na” (Co­sac­naify, 246 pá­gi­nas). Schnai­der­man diz que o ro­man­ce “Mi­na R”, de Ro­ber­to de Mel­lo e Sou­za, é “bom, for­te”. Jo­a­quim Xa­vi­er da Sil­vei­ra es­cre­veu “Cru­zes Bran­cas — O Di­á­rio de um Pra­ci­nha” (Jo­sé Olympio, de 1947. Mi­nha edi­ção saiu pe­la Jo­sé Ál­va­ro, Edi­tor) e “A FEB Por um Sol­da­do” (No­va Fron­tei­ra, de 1989). O ma­re­chal Flo­ri­a­no de Li­ma Brayner deu sua ver­são em “A Ver­da­de So­bre a FEB” (Ci­vi­li­za­ção Bra­si­lei­ra, 1968). Um dos li­vros mais co­nhe­ci­dos é a “FEB Por Seu Co­man­dan­te”, do ma­re­chal J. B. Mas­ca­re­nhas de Mo­ra­es.

“Crô­ni­cas da Guer­ra na Itá­lia (Re­cord), de Ru­bem Bra­ga, não é tra­ba­lho de cor­res­pon­den­te de guer­ra tra­di­cio­nal, e sim de es­cri­tor, de cro­nis­ta aten­to à mi­nu­dên­cia que de­li­cia e co­mo­ve. Os jor­na­lis­tas Jo­el Sil­vei­ra, a Ví­bo­ra, e Thas­si­lo Mitke pu­bli­ca­ram “A Lu­ta dos Pra­ci­nhas” (Re­cord). Jo­el Sil­vei­ra es­cre­veu "O In­ver­no na Guer­ra" (Ob­je­ti­va, 176 pá­gi­nas).
 
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2019 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio