revista bula
POR EM 25/10/2012 ÀS 07:32 PM

Bakhtin Desmas­carado — História de um Men­tiroso, de uma Fraude, de um Delírio Coletivo

publicado em

Há um livro explosivo na praça, que ainda estou lendo, im­pressionado: “Bakhtin Desmas­carado — História de um Men­tiroso, de uma Fraude, de um Delírio Coletivo” (Parábola, 509 páginas, tradução de Marcos Marcionilo), de Jean-Paul Bron­ckart e Cristian Bota.

O livro tem um tom de cruzada e de guerrilha contra Mikhail M. Bakhtin e defesa radical de Valentín N. Volóshinov e Pavel Niko­laievitch Medvedev. Bron­ckart e Bota discutem aqueles que ficaram conhecidos como “textos disputados”. Publicados como “de” Volóshinov e Medvedev, seriam “de” Bakhtin.

Bronckart e Bota dizem que, ao se aproximar de Vo­lóshinov e Medvedev, Bakh­tin mudou a linha de seus estudos. Assim, embora apontados co­mo “discípulos” de Bakhtin, este é que teria se inspirado nas ideias dos estudiosos.

Numa desmitificação brutal, Bronckart e Bota afirmam que Bakhtin era “plagiário” A principal obra de Medvedev, “O Método Formal nos Estudos Literários — Introdução Crítica a uma Poética Sociológica” (Contexto, 272 páginas, tradução de Sheila Vieira de Camargo Grillo e Ekaterina Volkova Américo), tem sido apresentada, por alguns críticos, como “de” Bakhtin. Na verdade, sustentam Bronckart e Bota, é mesmo de Medvedev. Os “aliados” de Bakh­tin chegaram a caluniar Med­vedev, apresentando-o como “carreirista”, “cínico” e “mulherengo”, com o objetivo de “diminui-lo”.

“Marxismo e Filosofia da Linguagem” (publicado no Brasil, pela Hucitec, como de Bakhtin) e “Freudismo”, também indicados como “de” Bakhtin, são de Vo­lóshinov. A “fraude” teria sido cometida por Bakhtin com o apoio de aliados. Bakhtin teria copiado até conceitos de algumas obras de Vo­lóshinov. Mesmo o livro “Os Problemas da Obra de Dostoi­vski”, segundo Bronckart e Bota, pode não ser de Bakhtin.

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2014 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio