revista bula
POR EM 26/10/2012 ÀS 02:15 PM

Pergunte ao Poe

publicado em

Se o corvo de Poe pousasse na Santa Ceia...
Gabriel Nascente, poeta

Se viemos do pó, a ele haveremos de retornar, ainda que na forma de lama? Quem aspira a algo mais: os Homens ou o velho aspirador de pó Electrolux? Deus Misericordioso aprovaria um tiro de misericórdia com uma pistola de uso exclusivo das Forças Armadas? As cidades são mais que concreto armado? É possível ser amado até os dentes?

Com quantos pregos se crucifica um sonho? Por que os pesadelos só nos afligem à noite? Sonhar acordado é sintoma de loucura? Há mesmo que se chorar por um Mar Morto? O que se esperar de um carrasco que aprecia poesia? Teria Hitler beijado de língua?

O que, afinal de contas, existe por trás da grande mulher de um grande homem? Pode-se, com toda segurança, despachar o sexo frágil através de empresas aéreas? Seria muito arriscado voar no céu da sua boca? É lícito cobrar uma boquinha no governo? Habeas corpus é bom para prisão de ventre?

Eram os deuses autodidatas? São permitidas diarreias dentro de uma cápsula espacial? Como os astronautas batem punheta na gravidade zero? Num momento de pura distração, seria arriscado que mulheres astronautas engravidassem pelos poros? Pílulas do dia seguinte previnem também arrependimentos do dia seguinte? Por que dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade, pode parecer tão cruel? Há varizes em mentiras de pernas curtas? Há dúvida depois da morte? Há vida inteligente neste e noutros planetas? Por que não se tem um orgasmo sorrindo?

Em que cova misteriosa foi enterrado o soldado desconhecido? Se ele era assim tão desconhecido, como se explica que a família recebesse tantos telegramas de condolências? Por que é tão foda aceitar a morte sem um cadáver à prova? Como convencer um claustrofóbico a ocupar uma sepultura?

O que você não quer ser quando crescer? O homem é o lodo do homem? Quem tem medo do lobo: o mau? Sexo à nau dá enjoos? Haverá, supostamente, entremeio à plebe, algum atirador de elite? É aceitável a uma costureira ser contra a distribuição de rendas? Seria factível a um ateu pintar a abóboda da Capela Sistina? Por que a cópula incomoda tanto a cúpula do Vaticano?

Por que cargas d’água — por mais que eu tente — não consigo esquecer a minha maldita primeira vez? Quem deu relógios às prostitutas? Mesmo sem o acento, pega-se gonorreia em assentos sanitários públicos? Masturbação enlouquece, padre? Mulheres com orgasmos múltiplos são as que mais atiram pedras em aviões?

O que seria do inferno se não houvesse o pecado? Deus existe? Político honesto existe? Gravidez nas coxas existe? Mulheres metidas fazem abortos provocados? Quem mente mais: um pastor, um advogado, um médico, uma mulher ou o resto da humanidade?

Balas perdidas têm recuperação? Cogumelos atômicos dão o maior barato? Profissionais de futuro farejam carreiras de coca? Cães de Aluguel mordem seus fiadores? Bandidos da pesada acham o código penal deveras leve?

Navegar é preciso como um fuzil de fabricação israelense? Só uma faixa de Gaza seria capaz de estancar tamanha sangria? O ex-presidente Bush bancaria a invasão de uma confeitaria iraquiana, pela reles suspeita da produção de bombas-de-chocolate de deglutição em massa? O que é pior: um regime totalitário ou um regime alimentar?

Afinal: Elvis morreu ou não morreu? Lula sabia ou não sabia? Yoko Ono foi “plantada” pelos Stones dentro dos Beatles? Onde está o Wally, Ulisses Guimarães e o defunto de Osama Bin Laden?  Onde é que eu assino?

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2014 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio