revista bula
POR EM 28/09/2012 ÀS 08:57 PM

Coluna antissocial do Prestes

publicado em

“Há homens que lutam um dia, e são bons. Há outros que lutam um ano, e são melhores. Há os que lutam muitos anos, e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida, são os trogloditas do MMA”

(Prestes, colunista antissocial)

Pasárgada, sexta-feira, dia 28 de setembro de 2012.

O renomado cirurgião dentista Teotônio Brocca acaba de chegar de uma bocada em Toronto. Apesar do Rei do Boticão afirmar que estava fazendo um fellow em Boca do Lixo, comenta-se à boca miúda que o profissional, na verdade, acompanhava uma comitiva de deputados (e acompanhantes) em viagem oficial de férias àquele país, por conta do erário. Isto está cheirando mal...

Mal começaram as chuvas, os apagões na cidade já aconteceram, e o cavalo do carroceiro Zé Malaquias morreu fulminado por um raio. Para não desperdiçar tanta carne equina, Zé convidou a vizinhança para um churrasco às pressas em plena terça-feira. No dia seguinte, todos forjaram atestados médicos falsos e apresentaram aos respectivos departamentos pessoais.

Numa festa de aniversário regada a muita cerveja barata e baixarias, Tonho Frentista declarou a todos os presentes que engravidou sim a cunhada. Quando esta edição foi fechada o IML ainda fazia a assepsia do local, de tal sorte que não há informações precisas quanto a mortos e feridos.

Igualmente ferida com a traição do marido, o ilibado Desembargador Braguilha, Dona Vulva e amigas partiram ontem para um cruzeiro pelo Caribe. Só para mulheres. Isto porque o cruzeiro dos cornos sai só na semana que vem. Não perca esta oportunidade.

Cidão do Crack já colocou a sua campanha de vereador nas ruas. O meliante espera ser eleito com o apoio dos viciados na pedra e dos moradores aterrorizados pela facção. Uma vez que os seus documentos são todos falsos e o CPF muda de tempos em tempos, Cidão mantém a ficha limpa e mal pode esperar para se sentar ao lado de outros delinquentes disfarçados na Câmara Municipal, todos eleitos pelo voto livre do povão.

Humilhada pelo marido impotente até mandar parar, Marta Cozumel anunciou a sua décima quinta cirurgia plástica com o renomado cirurgião Jesus do Nazareth. Ao som do clássico “Love hurts” no Centro Cirúrgico, o bisturi canta bonito.

Em recente inauguração de um teatro inacabado, o Prefeito de Pasárgada reclamou aos repórteres que tá foda demais administrar sem meter a mão, sem fazer rolo, sem fazer um caixa para as próximas eleições. Ele conclama o Ministério Público a dar um tempo, largar do seu pé, e convoca toda a sociedade civil desorganizada a um ato público de repúdio às perseguições que tem sofrido. “Pelo amor de Deus, deixem-me roubar em paz!”, ele pede, e com razão.

Depois de engravidar a terceira adolescente só neste ano, Padre Ataulfo tomou cartão vermelho do Vaticano e foi transferido para outra cidade cujo nome não foi revelado. Enquanto dobrava a batina e a enfiava às pressas dentro da mala, o pároco mandou que atirasse a primeira pedra, ai ai ai, aquele que nunca sofrera de amor. E vazou na Kombi.

Falando em gravidez, o polícia lacrou mais uma clínica aborteira na Baixa da Égua. A ação moralizadora da Segurança Pública está deixando a todos preocupados. Afinal de contas, ela incide diretamente na cotação do citoteque no mercado negro. Branco de pavor ficou o delegado Trinity Vasconcelos, ao ouvir da escrivã Domitila (sua amante há apenas três meses)  que o teste de farmácia dera positivo. “Onde, afinal, as pessoas de bem levarão as suas filhas para abortarem em paz?!”, reclamou a autoridade, demonstrando o mais completo descontrole emocional.

Cansada de ser chamada de gorda pelas amigas, a socialite Penélope Mamute foi submetida à cirurgia bariátrica. Até agora ela perdeu quarenta quilos, quinze mil dólares com gastos hospitalares e a autoestima.

Em noite de gala no Country Club, o industrial Eike Protestante bebeu mais do que devia, flertou com todas as mulheres do salão, inclusive as solteiras, e vomitou até devolver todo o uísque falsificado e as ovas de peixe deglutidas naquele maldito reveillon. Nunca mais piso naquele lugar. Nem depois que limparem todo aquele mármore Carrara.

O cantor Carrasco, que imortalizou porcarias como “Tira o atraso do papai” e “Assim eu ressuscito”, andava meio sumido. Ele reapareceu na Boate Pussy Riot e deu uma canja aos presentes. Mas também, depois de comer tanta canja na cadeia. Poucas coisas dão cadeia neste país, como deixar de pagar pensão alimentícia e atacar a gramática.

Tem mais um livro medíocre de poesias circulando na praça. Em noite de autógrafos disputadíssima (ninguém queria pagar os tais 20 reais por aquela porcaria), Cora de Vergonia explicou que o livro é uma compilação de seus melhores poemas de amor escritos desde a adolescência. Enfim, a realização de um sonho. Ora, ninguém merece este pesadelo literário.

A família Matilha da Silva comemora o nascimento de mais um herdeiro. A pergunta que não quer calar: quem seria o pai da criança?

Na fila do mictório, o Senador Corleone segredou a este colunista que já prepara a sua fantasia de honesto para o próximo carnaval. Não vai ficar uma graça?

A esposa de rico Jurema Pérolas disse que vai dar um tempo nas caridades. Enojada com pobre, ela conta que contraiu sarna durante a sua última visita para distribuir cicuta e fraldas geriátricas no Asilo Vai Com Deus. “Além de não suportar cheiro de urina, mais esta agora...”, reclama. O marido que arrume outras formas de ocupar o tempo dela, de abater o imposto de renda devido e de aparecer nas colunas sociais.

Falando em velhos, morreu mais um imortal da academia. Graças a Deus. Que a sua obra descanse em paz.

Por hoje é só. E assim falava Zaratustra: sai da frente!

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2019 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio