revista bula
POR EM 26/02/2008 ÀS 02:39 PM

Avenças e desavenças

publicado em


Derna deu quininim me embatuco pra tomar tento e ciência com as avenças do mundo, as que estiolam e as que adjutoram. Tomo tino, mas ainda morro besta. Certa feita, um xibungo tampa de binga quis me embromar com sugestas diversas, foi quando atinei suas leréias e casquei fora, passando a divulgar  as mermas do que era o eito de sacanagens com que os pestiados a toda hora nos atentam. Foi preciso garguelar o bicho, o feladamãe e fidumacadela prenha, estrupício de gente e mandar tomar termo.

Era o tempo bom retado em que inda vadiava de calça curta gritando pros outros “quem tem rabo, avoa, quem não tem, caçoa”; ou quando alguém pedia uma coisa que você estava comendo e não queria dar: ‘dá dói, pedir incoe, murro no oi dói”; ou ainda quando gritava para mariposa: “cai, cai, tanajura, na panela de gordura”; ao feladaputa que te xingava, lascava: “xibumgo é ribibiu, comi sua mãe, seu pai viu”. Depois, debulhava um rosário contra os pecados do mundo, para agradar o céu.

As bondades também me acompanharam de bebéu, ainda refestelando nos peitos de mainha, coisa que aprendi e, quando posso e deixam, pratico com afinco, pra ficar fortinho, simpático e alegrinho.  Tive ciência de que pobre é quem gosta de ajudar o semelhante, que cachaça é suvela do cão, que fuxico chalera o que não deve, que godela é vício de fulero, que quem num sabe cuma é pergunta ontá.

Homem exemplado, Lindauro vivia e dava bons conselhos, era pissuidor de bons grados e pongava nos ensinamentos do bem. Mas a modo que vivia açulerado e era malino, acabou enterrado de novo, morreu de supetão, num houve Tretrec que desse jeito. Acontece muito de gente boa num tardar. Renato também era outra alma bondosa, que deu sapituca no pelego e bateu o pacau, foi pontá Deus. Sem tino pra enfrentar água, ia me afogando e ele pulou com roupa e tudo e me salvou. Senão não estaria aqui hoje com essas indagas.

Menino de lá pispiava a mocidade na bronha e no puteiro, sob o serviço da rameira mais experiente do brega, tirando definitivo qualquer possibilidade de boiolagem. Causa disso, prosperavam as doenças nos pissuídos. As desavenças da política surrupiavam o sossego, levando uns a despicarem nos outros da mesma laia, quando não da mesma família.  Uns imbromavam, outros despicavam, alguns iam com traquinagem e sempre dava em furdunço, destempero ou rebuliço.

A vida e suas bestagens, uns com mais, outros com menos, uns bestejados outros ladinos, gente feito sibesta e imbirrenta. E assim vai-se vivendo, uns fazendo e outros desfazendo, uns com a fivela outros com a manivela, lancetando a pustema, saindo dos cafundós e indo pro caixa prego, arreliando e xumbregando, gumitando o que não come, rindo de sastifeito e traquinando nos xamegos, promode de caçar rumo e a gente ainda sai na bistunta, trupicando nos ermos.
 

É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio