Comentários, página 4 | Acervo da Revista Bula
revista bula
  • Pessoas céticas, amargas levam energia negativa aonde quer que vão....artistas, poetas românticos e músicos — como nós — sempre acreditam no amor, no ser humano e, sobretudo, que é possível ser feliz!

    5 anos atrás por Júnior Seabra sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • "Eu não acredito na alma, nem na Elma, nem na Ilma, quem dirá, na Ulma."

    E eu pensando que ia terminar com, "quem dirá, na Dilma"

    5 anos atrás por Rafael sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • uma pequena correção: o livro "1984" não e de 1949, é de 1948. por isso que o titulo do livro é "1984", porque 84 e o contrario de 48 cujo é o ano de publicação do livro.Tirando esse pequeno erro, eu realmente adorei a lista. Senti falta do "Sherlock Holmes", "Utopia" e "O manifesto comunista", mas existem milhares de livros bons para se ler e imagino o quão difícil seja escolher apenas 100 deles pois sempre fica alguns de fora.

    5 anos atrás por pedro sobre 100 melhores livros de todos os tempos — lista das listas
  • Leitura agradável. Gostei da forma como fechou o texto.

    5 anos atrás por toidvacer.wordpress.com sobre Nomes só (2)
  • Faltou o melhor álbum da história: London Calling - The Clash!!!!

    5 anos atrás por Junior Sarturi sobre Os 10 melhores álbuns de rock da história — A lista das listas
  • E Dostoiévski? Graciliano Ramos?...

    5 anos atrás por Aramis Nascimento sobre 100 melhores livros de todos os tempos — lista das listas
  • Olá Eberth, ótimos texto e ideias, mas fiquei surpreso pela exclusão do PAPAI NOEL. Enfim, num país como o nosso Brasil, temos que acreditar em alguma coisa!
    abraço,
    Carlos Trigueiro

    5 anos atrás por Carlos Trigueiro sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • Acabei de ler 1984. Incrível.

    5 anos atrás por rodrigo sobre 100 melhores livros de todos os tempos — lista das listas
  • Não acredito que exista um crápula tão impregnado de humanidade assim, contudo, se assim fosse, ele, o crápula seria menos repulsivo.

    5 anos atrás por Jose sobre Lamentações de um crápula enquanto o dia não vem
  • Que lista mais estereotipada. Eleger filmes da idade da pedra como muito bons é condição fundamental para quem quer parecer intelectual e diferenciado. Lista sem Mississipi em Chamas, O Iluminado, Laranja Mecânica, Pulp Fiction, etc. não é crível.

    5 anos atrás por Nelson sobre Os 50 melhores filmes de todos os tempos segundo a revista inglesa Sight e Sound
  • Eu não acredito que li esse texto todo e ... gostei.

    5 anos atrás por Andréia sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • O texto é muito bom, me identifiquei horrores, me vi ali.

    5 anos atrás por Dalia Hewia ‏ sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • Genial. Parabéns.

    5 anos atrás por Marlos sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • Eu não acredito que comecei a ler o texto com ressalvas e que fui me identificando cada vez mais. Eu não acredito que não sabia que não acreditava em tanta coisa.Eu não acredito que vivo me esquecendo que tudo é relativo. Maravilhoso, adorei,pode acreditar.

    5 anos atrás por Lucia Helena Monteiro Torres sobre Não há nada mais amargo neste mundo do que um homem que não acredita em nada
  • Nossa desde 1989 não se tem uma foto marcante?

    5 anos atrás por Fernanda sobre As 10 fotografias brasileiras mais famosas de todos os tempos: a lista das listas
  • Maravilhoso como Chico, como um belo novo caminho, como um belo novo encontro!!!

    5 anos atrás por Michele sobre Nomes só: Américo
  • Stendhal morreu antes de Tolstoi escrever Guerra e Paz.

    5 anos atrás por Fernando sobre Guerra e Paz: história além da história
  • Ai, meu Deus! Arrepio tanto!

    5 anos atrás por nora borges sobre Nomes só: Américo
  • Um tesouro isso... Só falta a entrevista com o tradutor alemão, Gunter Grass, se não me engano. Um gênio G. Rosa. Mineiro pra escrever não tem pra ninguém... Outro mineiro paixão minha é Fernando Sabino, que perdemos duramente há pouco tempo.

    5 anos atrás por Maurício sobre A última entrevista de Guimarães Rosa
  • Adorei os poemas.

    5 anos atrás por marcus sobre Os 10 melhores poemas de João Cabral de Melo Neto
  • O texto é uma boa síntese de Ecce Homo. Parabéns!

    5 anos atrás por Neiza Teixeira sobre Ecce Homo
  • valeu, maria!

    5 anos atrás por eberth vencio
  • Hahaha, essa turma de cinéfilos e leitores de quadrinhos... se ao menos os filmes a que assistem fossem da época em que cinema tinha um teor artístico mais elevado... talvez nem Guantánamo.

    5 anos atrás por Toid Vacer sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • Marcelo, com toda franqueza, não delira.

    5 anos atrás por Carlos Augusto sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • Que texto arrogante. Dizer que a literatura é a única expressão de arte válida é de uma estupidez sem tamanho. Gosto dos seus ensaios, mas neste você se equivocou, nas três partes.

    5 anos atrás por Graça sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • Marcelo, fica a dica: Gedeone Malagola, Ivan Reis, Mozart Couto, Julio Shimamoto, Eugenio Colonnese, Flavio Colin, , Renato Guedes, Joe Bennet, Mike Deodato, para falar apenas de quadrinistas brasileiros.

    5 anos atrás por Keroline Araujo sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • Meu Deus, quanta arrogância. Vai assistir Tarkovski, vai!

    5 anos atrás por Alexandre Borges sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • O texto mais mal humorado que já li na Bula. Mas ri muito.

    5 anos atrás por Marcela sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • Faltou a célebre foto do Dadá Maravilha com três pés.

    5 anos atrás por Ademir Luiz sobre As 10 fotografias brasileiras mais famosas de todos os tempos: a lista das listas
  • Prolixo, pedante e mal humorado. Humor não é seu forte, amigo.

    5 anos atrás por Renata Arruda sobre Bradaremos contra os hunos e seus obscuros festivais de cinema: ¡no pasarán!
  • A foto do sulafricano Kevin Carter em que um urubu espreita uma criança faminta no Sudão gerou muita confusão. Na verdade, foi explicada em uma revista de fotos (não me lembro qual), ela estava defecando.

    5 anos atrás por Vaulber B. Pellegrini sobre As 10 fotografias mais famosas da história
  • Vitor, Felipe, Igor e Sabrina. obrigado pela leitura e comentários.

    5 anos atrás por eberth vencio
  • Ninguém conseguiu ainda definir o limite, a linha demarcatória entre a sanidade e a insanidade do ser humano. O fato é que em situação de doença mental em que o ódio ao outro se sobrepõe ao afeto, em que não há aceitação de disciplina e respeito a tudo o que vive o animal humano torna-se perigoso, para si próprio e para outros.A psicologia corrente já consegue diagnosticar preconcemente a psicopatia em crianças.Talvez uma atenção mais focada e menos contaminada pela proteção irrestrita possa evitar que deformidades mentais como este Adam Lanz venham destruir vidas inocentes bem como suas familias.

    5 anos atrás por Brasigois Felicio sobre Eu sou a mãe de Adam Lanza
  • Ótima reportagem!

    5 anos atrás por José Alencar sobre A história desconhecida da mãe de Barack Obama
  • Excelente, adorei

    5 anos atrás por Maria sobre Lamentações de um crápula enquanto o dia não vem
  • Simplesmente incrível. Adorei. Pena é que falta tempo para ver tudo.Obrigado Luis Vitor, por nos permitir conhecer esse trabalho.

    5 anos atrás por Orestes de Queiroz Cançado Junior sobre 100 links para clicar antes de morrer
  • O começo de "Os Ratos", do Dyonelio Machado, também é ótimo!

    5 anos atrás por Mateus sobre Os melhores começos de livros (2ª parte)
  • O começo de "O amor nos tempos do cólera" de Garcia Marquez, pra mim foi marcante.

    5 anos atrás por Enira Roberth sobre Os melhores começos de livros (2ª parte)
  • Lembro-me do dia em que encontrei "O amor natural" como se fosse hoje. Nunca tinha ouvido falar da literatura erótica do Drummond, e estava surpresa diante do fato dele ser tão famoso, mas pouco se explorar e se expor destes poemas. É uma pérola a ser descoberta por muitos. Parabéns pelo post!


    5 anos atrás por Stephanie sobre Drummond, Quintana, Cabral: diversidade no cânone
  • E se a gente pudesse viver tudo de novo escolhendo o momento do exato do que queria que se repetisse ou que não queria que acontecesse mais?

    5 anos atrás por Sabrina Pessoa sobre E se Deus jogasse a toalha?
  • Excelente matéria, não fui apresentado a M. Proust durante os anos de faculdade (fiz engenharia), mas através de amigos conheci algumas de suas obras, todavia não sabia que ainda existia essa faceta.

    5 anos atrás por Márcio Silva Bezerra sobre A poesia completa de Marcel Proust
  • Essa é uma questão importantíssima, e o texto é bastante forte. Mas o acesso facilitado a armas, inclusive de grosso calibre, e munição ilimitada é um complicador sim, e até um sinal de que a sociedade está "doente".
    É um instrumento que não tem outra função senão matar. E não deveria ser comprado como se compra uma bolsa ou uma faca de cozinha.
    As duas discussões, na minha opinião, são válidas e necessárias.

    5 anos atrás por Sumaia Villela sobre Eu sou a mãe de Adam Lanza
  • A Clarisse é na minha modesta avaliação uma escritora sobrenatural, que conhece a alma humana como poucos, más a maior virtude dela é a sua elevação espiritual.Quando lemos os seus textos, percebemos que ela os escreve em sintonia com outras grandes mentes do universo, seria como que seus textos fossem escritos em vídeo conferencia com outras mentes tão brilhantes como era a sua. A sua humildade, a sua "falta de ego" na minha concepção, confirma que ela não é apenas "um gênio", más membra de uma grande elite que existe para nos ensinar a pensar.

    5 anos atrás por aloisio sobre A última entrevista de Clarice Lispector
  • Parabéns pelo texto! Excelente análise acerca de um dos maiores vilões do cinema. Lembrando ao cavalheiro Leandro do comentário anterior que o personagem Darth Vader faz parte de uma importante saga de ficção científica. Não dá para ficar em análises "rasas" acerca da história que envolve todo o enredo que conquistou milhões de fãs pelo mundo. Talvez ele não conheça bem os filmes. Afinal se o vilão é a figura central dos longas, como não falar dos filmes?

    5 anos atrás por Rodrigo sobre Darth Vader: A trajetória de um perdedor
  • Marcelo, Estamos órfãos de bons escritores e a produção literária sofre com o avanço da tecnologia e da informática. Sugiro um artigo sobre os e-books e o que podemos fazer para que as pessoas associem a quase necessidade de leitura das grande obras com as facilidades que a internet proporciona aos que preferem ignorar o alimento intelectual que um bom livro proporciona. Daqui, vejo os meus livros ainda plastificados pelo editor esperando alguém que possa saboreá-los antes de mim. Tarefa difícil! Li Sartre, Jean Jenet, Tolstoi, Homero, Júlio Verne, Miguel de Cervantes, Shakespeare, Paulo Francis e até, acreditem, Fernando Sabino. Interrompi para ler livros de direito e, agora, comemorando meio século de vida, mais novo que você, pelo menos intelectualmente falando, quero retornar ao meu costume de ler muito,não sem antes tomar uma taça de vinho. Será que vou dormir antes de passar para a folha seguinte? Bom, vai depender do livro. Vou comprar um desses livros recém-lançados que falam da 2ª Guerra Mundial. O mundo precisa de guerras para produzir líderes, escritores e livros, aquecer a economia e a produção industrial. Já que não temos mais guerras que nos proporcionem isso, vamos buscar na Segunda Guerra o que alimenta nossa curiosidade e abastece nossas estantes pobres de escritores e obras atuais que provoquem nossa imaginação e inquietude. Parabéns pelo seu artigo, rico em detalhes e pesquisa, embora complexo para os leitores comuns. Literatura é assim mesmo: tem que ler para entender. Por falar nisso, vou abrir um livro agora. O vinho fica pra depois!

    5 anos atrás por Emerson Costa sobre Se a praça é do povo e o céu é do condor, os cadernos de cultura são dos cinéfilos
  • O texto é risível, cheio de inverdades, eu gosto muito de F1, mas só leio textos escrito por ingleses, por que lá é a patria do automobilismo, o conhecimento técnico deles é muito elevado. Lá na Argentina eles dizem que o Maradona foi superior ao Pelé, aqui no Brasil algumas pessoas colocam o Piquet acima do Senna, isto é grave. Os ingleses são frios e quase perfeito nas análises, eles costumam esculhambar com o Piquet, nunca colocando entre os 10 melhores pilotos de F1, já Mansell eles elogiam, acho isto errado, o Piquet deveria estar entre os 10 melhres pilotos de todos os tempos, já Senna nem se fala, eles adoram o Senna porque ele junto com o Schumacher e o Prost foram os 3 melhores pilotos de F1 de todos os tempos.

    5 anos atrás por Josue sobre Senna não é Pelé
  • e se.....?

    5 anos atrás por igor sobre E se Deus jogasse a toalha?
  • Lolita, como literatura, é uma daquelas obras que passariam despercerbidas se não fosse a polêmica que se estabelece durante a trama, o que pode ser uma faca de dois gumes para a mesmas, já que o fator de atração aos leitores é polêmica, então quem se "arrisca" a lê-lo pode ser acusado de compactuar com o personagem e não o autor. Um livro deve viver por ser bom ou ruim, sem que uma pretensa fama (ou infâmia) lhe ofusque os holofotes nem atraia incautos que criticam sem ler. No mais, é uma obra interessante para se adentrar no mundo literário de Vladimir Nabokov e perceber que há mais bagagem do que parece.

    5 anos atrás por Luiz André sobre Nabokov rejeitou parte da adaptação de Kubrick para Lolita
  • Realmente, o debate agora deve ser mais focalizado no tratamento de doenças mentais e um acesso mais facilitado para todas as camadas sociais. O controle de armas não resolverá o problema, infelizmente. Parabéns a Carolina Mendes pela boa tradução da reportagem.

    5 anos atrás por Rejane Eagleton sobre Eu sou a mãe de Adam Lanza
  • Eu sei do que se trata, tenho vivido isso por longos 17 anos, e olha que não é fácil. Tenho um enteado que hoje esta com 24 anos, ele age da mesma maneira descrita por essa senhora, comigo eu sua mãe. Eu já tentei ama-lo protege-lo, fazer dele um homem como outros , mas não se consegue nada nenhum feedback, ele não se encaixa em nenhum padrão, o mundo dele é só do que ele acha certo ,não tem censura ,não tem afetividade nenhuma, não recebe limites de forma alguma ele acaba com a alegria e contentamento de toda família e de quem estiver por perto. E muito triste viver essa realidade, porque não tem o que se fazer, não pode interna-lo, não pode repreende-lo porque ele não processa nenhuma disciplina. E a gente quanto pai e mãe fica totalmente impotente diante da situação, toda a vida da gente gira em torno dele, e a gente vai ficando também meio desequilibrado de tanto conviver com a situação sem solução. Me perdõem mas é o desabafo de um pai cansado e sem esperanças.

    5 anos atrás por Eddie de Paula Batista sobre Eu sou a mãe de Adam Lanza
 < 1 2 3 4 5 6 7 8 >  Último ›
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio