revista bula
  • Flavio e Eberth Vêncio. O Javier Bardem é um tipo raro de ator que escolhe bem os projetos. Eu achei do caralho e não tô pagando de pseudo intelectual.

    10 anos atrás por Enio
  • Sobre meninos e lobos, Menina de ouro, Meninos não choram e agora essa meleca...Sangue por sangue, Tarantino é muito mais entretenimento.


    10 anos atrás por Alice Cristina Coriolano
  • Tamanduá meu bom e velho bichinho. Eu também já avisei ao ilustre e médiocre carlos william para tomar cuidado com um ataque de piolhos. Mas ele tem razão quando fala dos filmes do Robney. O cara é judiado em todos os aspectos. Será que ninguém tem coragem de dizer isso para ele? Apenas pelo fato dele ser o motorista oficial da galera. Será que ele acha mesmo que fazendo esse tipo de filminho conseguirá chegar além do FICA. Inocência e ridículo continuam caminhando lado a lado.

    10 anos atrás por Bené
  • Deu no Observatório da Imprensa. Para ler, clique aqui:

    http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=475TVQ001


    10 anos atrás por Paulo
  • Lembram da farsa de JT Leroy? Eu cai como um pato. Li e gostei.

    10 anos atrás por cwl
  • Flávio valeu pelos links.

    10 anos atrás por cwl
  • Vamos mentir gente! Vende livro e dá dinheiro!
    Deu no New York Times que o best-seller "Love and Consequences," uma auto-biografia sobre uma vida sofrida de uma ex-menina de rua chamada "Margaret P. Jones," era mentira. A moça se chama, na verdade Margaret Seltzer e nunca foi menina-de-rua (depois que o livro dela virou Best-seller ela ainda teve a cara-de-pau de criar uma fundação para ajudar... meninos de rua !!!). Quem quiser ler mais o link é este:
    http://www.nytimes.com/2008/03/04/books/04fake.html

    Dias antes, deu no Boston Globe que outro best-seller, outra auto-biografia de uma autora de Massachusetts, suportamente órfã, judia e sobrevivente da segunda guerra, não era nem judia, nem sobrevivente da segunda guerra. Pediu desculpas pros seus milhares de leitores dizendo que se tratou de uma fantasia, mas, que, como fantasia, era "sua realidade" (PQP!!). O link pra essa notícia é:
    http://www.boston.com/ae/books/articles/2008/03/01/den_of_lies/



    10 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Ei, Carlos William, o pessoal do cinema goiano anda tão bravo com você que, se você não tomar cuidado, ainda acorda com a boca cheia de formigas, ops, quer dizer, piolhos...Rsrsrsrs.

    10 anos atrás por Tamanduá
  • Leiam o texto sobre o anhaguera

    10 anos atrás por Marcelo Silva
  • Por onde andará a Cássia?

    10 anos atrás por cwl
  • Quem viu Juno?

    10 anos atrás por cwl
  • Ainda sobre Bardem. Quem o viu, quem o vê! E pensar que ele era só um fortão na comédia dramática Jamón, Jamón, de 1992, primeiro filme em que o vi. Também participou Penélope Cruz. Jamón, jamón é espanhol, mas não é do Almodovar (nem tudo que vem da Espanha é do Almodóvar). É do Bigas Luna (mesmo diretor de La teta i la luna).

    10 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Eberth, esse oscar pro javier Bardem foi outro oscar "pelo conjunto da obra" disfarçado em oscar de melhor coadjuvante. Li o livro antes de ver o filme e, mesmo já sabendo que o papel tinha sido entregue ao Bardem eu só conseguia mentalizar o Robert De Niro como o psicopata Anton Chigurh. Até hoje não entendi a caracterização ridícula do detalhe do cabelo. Tirou o foco do que interessa. Não ajudou a construir o personagem, mas, sim, a destruir.
    Grande abraço!

    10 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Flávio Paranhos,
    Também não entendi porque "Onde os fracos..." ganhou o prêmio maior do Oscar. Provavelmente, porque eu seja um leigo no assunto, e não tenha "sacado" alguma mensagem espetacular nas entrelinhas...
    Agora, o Oscar para o Jávier eu achei legal (merecido)... O sujeito impressionou-me. Gostei muito de sua interpretação no belo filme(ao menos, para mim) "Mar Adentro".
    Saudações, amigo.

    10 anos atrás por eberth vencio
  • Marcelo, acho que éramos bregas geniais.

    10 anos atrás por Edmar
  • Para Alfredo:
    Pois é justamente cinematograficamente que o filme é bom. Pode-se discutir sua, digamos, sociologia, sua filosofia. Mas cinematograficamente é bom. Pensei que tivesse deixado isso claro. My bad. Proibido proibir é, evidentemente, completamente diferente de Tropa de Elite, mas tratam de assuntos parecidos: corrupção policial (o menino favelado é eliminado por que testemunha outra eliminação sumária da polícia).

    10 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Mas e aí o que você pensa de Tropa de Elite, cinematograficamente falando.
    Também o que há de comum entre Tropa de Elite e Proibido Proibir?

    10 anos atrás por Alfredo
  • Boa Mário. Tava achando meio estranho também. Deve ser os fãs.

    10 anos atrás por cwl
  • Por Mário Zeidler

    Você tem razão Cormac McCarthy é horroroso.
    * * *
    Eu não escrevi isso. Nunca o li. Se for pela cara do cara, é feio mesmo.

    10 anos atrás por Mário Zeidler Filho
  • Depois de ler o texto Vida Louca Vida, falta perguntar: Éramos bregas ou geniais?

    10 anos atrás por Marcelo Silva
  • ALÉTHEIA
    CLARA DAWN

    19:30 h
    5 de Março de 2007
    Centro Cultural Goiânia Ouro
    Preço: 20,00

    SINOPSE
    O que leva um homem a reavaliar a sua forma de lidar com o próximo; a romper com os preconceitos, cristalizados por anos, e abraçar uma causa e lutar por ela? Pois é, neste livro vibrante e comovente, você caminhará junto com o dr.Vicente que, após perder tragicamente o melhor amigo, que se suicidara por sua causa, passa a ver o mundo com outros olhos. A partir desse conflito, a história toma um rumo inimaginável, revelando os mais intricados caminhos da mente humana, os abismos e desejos, muitas vezes comoventes, outras vezes assustadores.


    10 anos atrás por AG Comunicação
  • Flávio, acho a melhor coisa a ser feita.
    Vou fazer uma tabelinha seguindo seus ensinamentos. Hoje o cara é amarelo, amanhã, laranja, depois, roxo, etc.



    10 anos atrás por cwl
  • Lauro, não recebeste meus e-mails?
    Fala que eu te escuto!


    10 anos atrás por cwl
  • Carlos et all. Só agora que vi que a Bula voltou no novo formato e a distribuiçao das textos nas cores amarelo, azul, etc. Bom. Parabéns. Vou tentar enviar um texto novo, ainda não sei qual será a cor, ATÉ AS 18 HORAS DE SEGUNDA FEIRA. Abraços

    10 anos atrás por Lauro Marques
  • Carlos et all. Só agora que vi que a Bula voltou no novo formato e a distribuiçao das textos nas cores amarelo, azul, etc. Bom. Parabéns. Vou tentar enviar um texto novo, ainda não sei qual será a cor, ATÉ AS 18 HORAS DE SEGUNDA FEIRA. Abraços

    10 anos atrás por lauro marques
  • CW, seu infante terrível, vou te dar uma sugestão: Por que, em vez de colocar os colaboradores no espaço da Bula de acordo com o que escrevem, você não o faz de forma alternada. Assim, resolve 2 problemas: Eventuais insatisfações e um problema pra você mesmo, qual seja o de classificar o circunstancialmente inclassificável (sim, porque vai ter hora em que você vai coçar a cabeça e se perguntar: isso aqui é uma crônica? ou um conto? ou um ensaio?). Faça, então, um rodízio. Hoje o cara é amarelo, amanhã, laranja, depois, roxo, etc.

    10 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Você tem razão Cormac McCarthy é horroroso.

    10 anos atrás por Mário Zeidler
  • Carlos Willian, parabéns pelo Blog e pelo texto.

    10 anos atrás por Marcos
  • CW parabéns.

    10 anos atrás por Tacilda
  • Flávio, é sim. Tipo o Fernando Collor.

    10 anos atrás por Carlos Willian
  • AMIGOS COLABORADORES, ALGUNS ESCLARECIMENTOS: AS COLUNAS NÃO SERÃO MAIS FIXAS, DEPENDERÁ DO TIPO DE TEXTO. TEXTOS ANALÍTICOS E DE OPINIÃO: SERÃO PUBLICADOS NOS SETORES AMARELO E AZUL. RESENHAS E CRÍTICAS: SERÃO PUBLICADAS NO SETOR LARANJA. TEXTOS LITERÁRIOS: SERÃO PUBLICADOS NO SETOR ROXO. OS TEXTOS DEVERÃO SER ENVIADOS ATÉ AS 18 HORAS DE SEGUNDA FEIRA. O COLUNISTA QUE NÃO ENVIAR, NÃO TERÁ SEU TEXTO PUBLICADO NAQUELA EDIÇÃO.

    10 anos atrás por Carlos Willian Leite
  • Quer dizer então que só quem tem aquilo roxo é que publica texto literário?

    10 anos atrás por Flávio Paranhos
  • Falar em medíocres & mediocridades, no âmbito da literatura e das artes, é é também saber: o medíocre, para nós, é sempre O outro, enquanto para ele os idiotas consumados somos nós. No sentido Lacaniano, o Outro não tem para nós importância alguma, se não for objeto ou testemunha de alguma proeza de que sejamos capazes. Mesmo que tal proeza seja um poeminha de pé quebrado. e a falsa façanha seja uma obrinha pífia, ou patética brochada, que imploramos à musa: que do ato falhado não se faça propaganda e alarde. Arg!

    10 anos atrás por Brasigois Felicio
  • Parabéns pela volta.



    10 anos atrás por Feliupe Santana
  • Braz, a Academia tentou doutrinar a literatura!

    10 anos atrás por Mário Campos
  • ARS deu a opinião dele, eu dei a minha. Sempre se pode dizer: mas olha só quem está falando! E foi o que fiz, como poderão agora fazer comigo. Governo americano manda prender e depois internar Pound em hospício. Há quem veja exagero e absurdo em tudo isso. Pound preso por crime de opinião. Sua desgraça foi dizer as coisas que disse contra o seu país, em tempo de guerra, na terra do inimigo, daí ter sido considerado um traidor. Já o fascismo é matéria pra discussão permanente, e vai até o fim dos tempos. No mais, a crítica acadêmica atua como quem disseca cadáver (olha a caca aí!). Acadêmico não tem alma. E se acha. Pensa que é Deus e não vê os próprios pés. Daí me permito brincar. Anárquico. De resto, nada disso, nada de nada levaremos em nossos caixões. A vida é só ninharias.

    10 anos atrás por braz
  • Legal o texto "Medíocres".

    10 anos atrás por Ana Paula Santos
  • Cara poeta Valdivino Braz, você acha mesmo que o ARS está errado com relação a obra do Pound? Ou sua intenção é apenas provocar?

    10 anos atrás por Jonas
  • Boa revista, bom texto!

    10 anos atrás por Bruno
  • A Bula voltou em grande estilo. Agradaram-me, em especial, os textos do Flávio, Menalton, Edival, Brasigóis e Braz.
    Abraços a todos.

    10 anos atrás por EBERTH VENCIO
  • CW e Tainá. Parabéns pela revista. Ficou linda.

    10 anos atrás por Marcos
  • Brasigois, obrigado.

    10 anos atrás por Carlos Willian
  • Mire e veja o leitorado: a Bula voltou tinindo nos cascos de preciosismo e beleza pura, em seu novo formato. Parabéns CW, Tainá, e demais que a partejaram. Vide e vivas também ao poetariado a doc, que voltou afiado, a provar que nem tudo aqui é arroz com pequi, no chão nativo da bovinocultura. Ainda que não tenham nada contra...

    10 anos atrás por Brasigois Felicio
‹ Primeiro  < 263 264 265 266 267
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio