revista bula
POR EM 26/01/2009 ÀS 07:36 PM

A história é uma espiral

publicado em


As crianças assassinadas em Gaza, as crianças carbonizadas em Gaza não incomodarão mais ninguém. O mundo está a salvo delas. Que bom, o mundo, agora, está mais seguro, porque se livrou das crianças de Gaza

 

Que mundo é este que assiste impassível ao massacre de crianças na Faixa de Gaza? O que foi feito do ser humano, esse animal pensante que se delicia com o voyerismo imbecil da TV, empanturra-se de cerveja e churrasco como um primitivo homem das cavernas? O que podemos esperar da geração internet, esse bando de jovens perdidos nas ondas da navegação online, presos a um mundo virtual e sem sentido, sem riscos, sem vida? Onde foi parar nossa porção de humanidade, nossa mais delicada solidariedade, a mão estendida, o pedido de desculpas, restos de um mundo que já inexiste porque tem pressa, muita pressa, apesar de não ter rumo. Perdemos a capacidade de nos indignar, os noticiários transmitem números, números de mortos, números sem face, sem nome, numa macabra contabilidade que invade sem pudor nossa sala, mas não nos tira o sono. As crianças assassinadas em Gaza entrarão para os livros de História como estatísticas de uma guerra covarde. Quem vai se lembrar das crianças assassinadas em Gaza? Não farão falta a ninguém, a não ser a seus pais e amigos, não eram consumidoras num shopping luxuoso, estavam na escola, estavam em suas casas, estavam na rua, não estavam consumindo: esse o seu crime. E nós, do fundo de nosso macio e confortável sofá, mudamos de canal, muito indigestas as cenas de crianças com pernas e braços amputados, rostos cheios de estilhaços, lágrimas nos olhos. O que faziam elas que não passeavam com segurança num luxuoso shopping center? As crianças assassinadas em Gaza, as crianças carbonizadas em Gaza não incomodarão mais ninguém. O mundo está a salvo delas. Que bom, o mundo, agora, está mais seguro, porque se livrou das crianças de Gaza. Os jovens internautas consumidores podem passear tranqüilos pelos shoppings, seus respeitáveis pais podem continuar a assar a carne e servir os amigos nos finais de semana, a bolsa de valores não mais sofrerá as terríveis e temíveis perdas, o dólar continuará sendo, graças a deus, a moeda forte que move e embala os sonhos do planeta, o mercado mundial de automóveis enfim vai se recuperar e esvaziar os pátios das montadoras, não há mais perigo porque a maldita raça humana assassinou as crianças de Gaza.

 


leia mais...
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2019 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio