revista bula
POR EM 05/01/2013 ÀS 08:07 PM

Nomes só (2)

publicado em

Samira

Ela chora muito, mal consegue falar, emocionada com a própria bondade. Funga e invoca “Jesus, nosso mestre”, para depois puxar um “Pai Nosso”, constrangendo a todos, os que seguem e os que não seguem sua religião. Adriana não reza, mas fica ali imóvel, covarde e respeitosa, de mãos dadas, enquanto a cabeça dela não para. Nalgum ponto dessa vida ela sabe que vai ter que parar de pensar e simplesmente embarcar na onda alheia.

Rita

Ela gemeu, a boca encostada na dele, os olhos abertos, fechados, abertos.

Dafne

Ela não tem idade para nada disso, entende? Para nada disso. Nem para e-mail no meio da tarde, nem para telefonemas ofegantes durante a madrugada. E antes que você comece com aquele discursinho que emprega frases edificantes como “ser jovem no coração”, vou logo avisando que ela acha que não tem mais idade para nada disso, então, fim de papo. E-mails gentis, frases espirituosas, descrições engraçadas sobre um cotidiano nem tanto — Deus, ela não precisa mesmo de nada disso. Ela tem cicatrizes.


leia mais...
POR EM 02/01/2013 ÀS 05:53 PM

Nomes só: Américo

publicado em



Mudei meu caminho hoje, para encostar no seu. Acho que foi o Chico Buarque quem usou essa imagem, e o Chico Buarque tem sempre razão. Foi isso, encostei meu caminho no seu. Saí do meu compromisso e, ao invés de pular direto para a Marginal e dali para casa, adiantei meu relógio em uma ponte e cruzei o rio. Seu território. Passei pelo lugar do seu acidente. Mais adiante, em frente à velha lanchonete, quebrei à direita ali no circo que não existe mais (como nós, como nós), entrei logo ali passando pelo restaurante e pela padaria, para cair em sua rua, a rua da redenção, com a qual se eu não dividir a salvação ou sua presença, divido ao menos o sobrenome. Ela é diferente de dia. Mais rude, menos acolhedora, sem doçura alguma (como nós, de novo, como nós). É uma rua, apenas. Caminhões de entrega, babás e cães. Rodinhas de seguranças fumando numa ou noutra esquina. Seu prédio baixinho e já era a esquina e já era o final. Quase ouvi sua sonora gargalhada, mas sei que não. E não, de leve ouvi você chamar meu nome. Nem de leve.


leia mais...
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio