revista bula
POR EM 12/09/2011 ÀS 04:43 PM

Sartre: o messias da filosofia

publicado em

O filósofo francês viveu no mundo da fantasia, escravizou Simone de Beauvoir, mentiu sobre a União Soviética e sobre Cuba e era amado pelos estudantes

O francês Jean-Paul Sartre (1905-1980), o gnomo obsceno, talvez tenha sido o filósofo mais comentado e, até, lido do século 20. O que você vai ler neste texto é tão duro — sobre o baixinho mais feio do que briga entre Anderson Silva e Chael Sonnen — que dou duas dicas: há uma ampla biografia, “Sartre”, de Annie Cohen-Solal (L&PM), em português, que tem uma interpretação menos ácida e mais equilibrada do companheiro de Simone “Castor” de Beauvoir, e há “Passado Imperfeito — Um Olhar Crítico Sobre a Intelectualidade Francesa no Pós-Guerra” (Nova Fronteira, 2008), do historiador britânico Tony Judt. Há um “problema” para leitores preguiçosos: o livro de Cohen-Solal tem 693 páginas. Não há índice de nomes, o que é ruim numa biografia em que se cita muita gente (como o brasileiro Jorge Amado). O livro de Judt, com 478 páginas, é pau puro, e Sartre sai muito mal, com Albert Camus revalorizado. O filósofo de “O Ser e o Nada” não é, porém, o único a ser examinado neste livro esplêndido, seriíssimo.

Se você nunca leu o palavroso Sartre — e não está disposto a ler mais —, a biografia de Cohen-Solal faz um balanço quase exaustivo de suas obras. Creio que é o melhor inventário sobre a obra e a vida do escritor-filósofo, pelo menos em português. Com pouca acidez, insisto, mas, às vezes, sem condescendência. Mas, claro, é um trabalho a favor.


leia mais...
POR EM 09/09/2011 ÀS 03:07 PM

"Percival Everett é uma das pérolas escondidas da literatura norte-americana"

publicado em

Percival Everett Alberto Manguel é um crítico da estirpe de Harold Bloom, talvez com uma paixão menos militante. Embora conheça as principais teorias literárias, prefere, como Bloom, ler diretamente os livros que comenta. Há analistas que sabem tudo o que disseram teóricos e críticos mas não são leitores devotados de literatura. Pode-se dizer que alguns comentários de Manguel, argentino radicado na França e ex-secretário de Jorge Luis Borges (lia para o escritor portenho), são superficiais, mas quase sempre são deliciosos e, não raro, detalhistas. Seus artigos para o excelente suplemento literário “Babélia”, do “El País”, contêm novidades sobre o mundo literário, mesmo quando explora assuntos batidos. Na edição de 20 de agosto, escreveu uma resenha, “Em busca do sucesso por meio de um romance vergonhoso”, sobre o escritor e professor universitário norte-americano Percival Everett, de 55 anos. Não adianta procurar suas obras nas livrarias e sebos brasileiros (o Estante Virtual vende uma obra em inglês). No site da Livraria Cultura, de São Paulo, o leitor pode encomendar seus romances, mas em inglês. Companhia das Letras, Cosac Naify e Record não publicaram um livro de sua autoria. Na Casa del Libro, de Madri, é encontrado apenas um romance: “X” (Blackie Books, 358 páginas), recém-lançado na Espanha (em inglês pode ser encontrado o mesmo livro, com o título de “Erasure”). A Livraria Bertrand, de Portugal, vende cinco livros do autor — nenhum em português. Everett é um escritor desconhecido, exceto dos acadêmicos e daqueles que leem quase tudo, como Manguel. Na sua resenha, Manguel faz primeiro uma denúncia e, em seguida, a crítica literária.


leia mais...
POR EM 25/08/2011 ÀS 08:30 PM

Só Freud para livrar Mino de obsessão com Civita

publicado em

 “A Sombra do Silêncio” é uma espécie de tudo é verdade segundo dom Mino Carta, o aristocrata do rancor

Mino Carta

Há duas, ou mais, leituras do romance à clef “A Sombra do Silêncio” (Francis, 224 páginas), do jornalista Mino Carta. A primeira, que tem vigorado, é patrocinada pela revista “CartaCapital”, de propriedade de Mino Carta, que vê o romance como uma obra de gênio, ombreando, sabe-se lá, com alguma história de Henry James ou Flaubert. É uma leitura equivocada porque Mino não faz literatura — é memorialista que talvez tenha receio de ser processado (ele diz que um ex-ministro da ditadura, depois senador na democracia, era homossexual. O economista já faleceu), ou, o que é mais crível, não tenha paciência para a pesquisa. Então, usando a forma do romance — mas não fazendo romance, como querem seus críticos favoráveis, que sempre notam sua alta cultura, o diálogo fino com a pintura e a música —, pode, além de atacar seus adversários, políticos, empresários e jornalistas, tornar as histórias mais elásticas. “A Sombra do Silêncio” é, de algum modo, uma espécie de tudo é verdade segundo dom Mino Carta, o aristocrata do rancor, o homem que ensina que se deve comer peixe só com garfo, sem o uso de faca. O “Gattopardo” patropi que quer ser Tomasi di Lampedusa.   Na verdade, ao pretender contar a história de seu amor por Core Mio (Angélica, a paixão de uma vida), Mino Carta faz, mais uma vez, memorialismo à clef. Então, no lugar da primeira leitura, oponho a minha: a histórica, entre outras. Mercúcio Parla, alter ego de Mino Carta, tem o hábito de satirizar os intelectuais, ele próprio intelectual (dos bons, sério, íntegro), embora tentando se mostrar apenas como jornalista. Ele atribui a Alberti/Claudio Abramo o seguinte: “E os intelectuais? Servem o poder, querendo ou não, mesmo porque o primogênito vira coronel e um dos irmãos Intelectual. A família é a mesma”. Mercúcio/Mino contrapõe: “Mas nem todos nascem abastados...”. Abramo replica: “Estes sonham em subir na vida, quando não dá para virar coronel, vale a pena ser Intelectual”. E nós, jornalistas, servimos a quem? Ao poder, é claro.


leia mais...
POR EM 17/08/2011 ÀS 10:05 PM

Mino Carta vai reescrever o Evangelho

publicado em

Mino CartaQuem diz que o ego do jor­na­lis­ta e pin­tor Mi­no Car­ta, di­re­tor de re­da­ção da re­vis­ta “Car­ta­Ca­pi­tal”, é hi­per­tro­fi­a­do não po­de dei­xar de ser cha­ma­do de aman­te de re­dun­dân­cias. Mi­no Car­ta se acha o mais pu­ro dos ho­mens e, por ex­ten­são, o me­lhor jor­na­lis­ta do Bra­sil, qui­çá do mun­do — de­pois de Clau­dio Abra­mo, di­ria o ita­li­a­no-bra­si­lei­ro. É o que so­bres­sai do ro­man­ce “O Cas­te­lo de Âm­bar” (Re­cord, 400 pá­gi­nas). Es­tra­nhís­si­mo ro­man à clef. Sus­ten­tar que “O Cas­te­lo de Âm­bar” é ro­man­ce tal­vez se­ja mais uma go­za­ção de Mi­no Car­ta.

“O Cas­te­lo de Âm­bar” é o an­ti­rro­man­ce, não no sen­ti­do li­te­rá­rio, ao mo­do de “Fin­ne­gans Wake”, de Ja­mes Joyce, ou de “Aque­la Con­fu­são Lou­ca da Via Me­ru­la­na”, de Car­lo Emi­lio Gad­da, e sim no as­pec­to mais cru: não há li­te­ra­tu­ra ne­nhu­ma no li­vro — só fa­tos, co­zi­dos, é ver­da­de, co­mo quer a ma­lí­cia do au­tor. Mas o jor­na­lis­mo li­te­rá­rio de Mi­no Car­ta é pas­sio­nal: apre­sen­ta a sua ver­são com ên­fa­se e a dos ou­tros, os “ini­mi­gos”, em es­pa­ço mí­ni­mo. O ro­man­ce se­ria li­te­ra­tu­ra ou fu­zi­la­ria? Talvez vendeta. Se “O Cas­te­lo de Âm­bar” é es­tra­nho, por­que Mi­no Car­ta ten­ta trans­for­mar a re­a­li­da­de em fic­ção, pa­ra que a re­a­li­da­de se tor­ne ao olho do lei­tor ain­da mais cho­can­te, os re­sul­ta­dos são pí­fios. Mui­ta gen­te cer­ta­men­te vai bus­car em al­gu­ma re­por­ta­gem ou re­se­nha os no­mes ver­da­dei­ros por trás dos per­so­na­gens. So­bre­tu­do jor­na­lis­tas. O lei­tor co­mum ten­de a se dis­tan­ci­ar de uma obra que, ten­tan­do ser fic­ção, não é mais do que um re­tra­to, ab­so­lu­ta­men­te res­sen­ti­do, da re­a­li­da­de.


leia mais...
POR EM 12/07/2011 ÀS 09:29 PM

Crítico insinua que Tom Jobim e Cartola são plagiários

publicado em

O mais polêmico e destemido crítico de música do Brasil volta a atacar, agora na revista “Cult”. Na entrevista “João Gilberto é um bom malandro”, concedida ao jornalista Daniel Silveira, José Ramos Tinhorão não economiza palavras fortes nas suas críticas e prova que permanece como um “devorador” de mitos. A música “Chega de saudade”, de Tom Jobim, “vem do tema do filme ‘Sob o Domínio do Mal’, de 1962, de John Frankenheimer. ‘Desafinado’ é igual a uma canção de Gilberto Alves, e ‘Eu sei que vou te amar’ é a mesma melodia de ‘Dancing in the dark’”. Tinhorão não usa a palavra “plagiário”, mas aponta, sem tergiversar, as “fontes” de Jobim.

Ao mesmo tempo em que implica com João Gilberto, antigo desafeto, e Tom Jobim, Tinhorão é menos cruel com Cartola: “Fiz uma descoberta que me deixou muito triste. Descobri que a melodia de ‘As rosas não falam’, de Cartola, na verdade é de dois caras do jazz. A melodia vem de ‘La Rosita’, de Coleman Hawkins e Ben Wester”. No caso de Jobim, o repórter nada pontua; no de Cartola, não perdoa e cita a palavra “plágio”. A resposta de Tinhorão: “Pode ser um plágio involuntário, mas que ele ouviu isso, não há a menor dúvida”.

Embora as denúncias de plágio sejam duras, e a turma da bossa nova possivelmente irá defender Tom Jobim do “mal-humorado” Tinhorão, as críticas mais contundentes são dirigidas a João Gilberto (e devo dizer que simpatizo com os petardos de Tinhorão): “João Gilberto é um bom malandro. Ele inventou uma coisa, inegavelmente. Aquela batida de violão, o aproveitamento dos contratempos dentro do [compasso] dois por quatro. Em vez de ser uma coisa metronômica, batida certinha, ele vai e volta. Como é uma batida que permite a superposição de uma harmonia de música norte-americana, acabou dando certo. Ele é um cara meio fora do esquadro. Não é uma sujeito de ligar muito para as pessoas, e foi malandro, aproveitou-se dessa fama e cultiva o folclore em torno disso, do atraso, da dúvida sobre ele ir ou não aos shows. E aí todo mundo o chama de gênio. O mérito dele é inegável, mas esses caras viram elefantes brancos. Coitado, já viu como está a voz dele? Nem consegue mais articular direito. E a culpa é do ar condicionado. Esse eu admiro, é um espertalhão”.


leia mais...
POR EM 23/06/2011 ÀS 01:52 PM

Triângulo Rosa — Um Homossexual no Campo de Concentração Nazista

publicado em

Triângulo Rosa — Um Homossexual no Campo de Concentração NazistaNo clássico “O Holocausto — História dos Judeus da Europa na Segunda Guerra Mundial” (Hucitec, 1022 páginas), do historiador inglês Martin Gilbert, há referências aos ciganos e homossexuais mortos nos campos de concentração e extermínio dos nazistas de Adolf Hitler, ainda que escassas. “Em pouco mais de quatro meses, mais de 30 mil pessoas tinham sido mortas em Mauthausen [campo de concentração alemão], ou tinham morrido de inanição e doença. Judeus e ciganos formaram os maiores grupos dos mortos, mas outros grupos também tinham sido selecionados pelos nazistas: homossexuais, testemunhas de Jeová, prisioneiros de guerra espanhóis”, revela Gilbert. “Dos assassinados” — Gilbert não está citando só Mauthausen —, entre 1939 e 1945, “cerca de um quarto de milhão eram ciganos, dezenas de milhares de homossexuais e dezenas de milhares de ‘deficientes mentais’.” É pouca informação, mas Gilbert pode alegar, com razão, que seu foco são os judeus. Por isso o livro “Triângulo Rosa — Um Homossexual no Campo de Concentração Nazista” (Mescla Editorial, 182 páginas, tradução de Angela Cristina Salgueiro Marques), de Jean-Luc Schwab e Rudolf Brazda (o texto é exclusivo de Schwab), tem grande importância. É o resgate da história do alemão (“tchecoslovaco, por ascendência”) Rudolf Brazda. Ainda vivo, com 98 anos, Brazda foi preso no campo de concentração de Buchenwald, na Alemanha, porque havia cometido o crime de ser homossexual. Não se pretendia tão-somente purificar a raça alemã. O governo nazista trabalhava para mudar comportamentos tidos como desviantes e, quando não conseguia, prendia ou matava as pessoas.


leia mais...
POR EM 23/06/2011 ÀS 01:31 PM

O novo livro de Joyce Carol Oates

publicado em

Joyce Carol OatesSe a poeta Emily Dickinson é a grande rival de Walt Whitman, no século 19, a prosadora Joyce Carol Oates, de 73 anos, é a principal rival de William Faulkner no século 20. (Ian McEwan é seu par inglês.) Joyce escreve literatura de qualidade (tida como sombria, quando, na verdade, sombrios são a vida e o mundo) e crítica literária. E escreveu um bom livro sobre boxe. Sua obra-prima, o romance “A Filha do Coveiro”, conta a história de sua avó Blanche Morgenstern. A autora tem o hábito de vasculhar os segredos de família e ficcionalizá-los. Agora, com “Memórias de uma Viúva” (inédito no Brasil), conta um drama pessoal — a morte do marido, o editor Raymond Smith, em 2008. “É o livro mais pessoal e impactante de Joyce Carol Oates, firme candidata ao Prêmio Nobel de Literatura”, diz a “Revista de Letras” do jornal “La Vanguardia”, de Barcelona. O livro contém “agudas reflexões e, às vezes, humor negro”. Sobretudo, “narra uma comovente história de amor, lírica, moral e implacável, como as que povoam suas novelas, e oferecem um inédito retrato de sua intimidade, até agora zelosamente protegida”. A “Revista de Letras” transcreve trecho da resenha de Ann Hulbert, publicada no suplemento “The New York Times Book Review”: o livro, diz a crítica, “hipnotizará e comoverá o leitor... Um livro mais dolorosamente auto revelador do que a Oates novelista ou crítica se atreveria a publicar”. Joyce ficou casada por 47 anos e 25 dias com Ray. Quando ele morreu, em 2008 — oito anos mais velho do que Joyce, Ray não se recuperou de uma pneumonia —, o mundo da escritora desmoronou. Ao se recompor, escreveu “Memórias de uma Viúva”. “La Vanguardia” publicou um capítulo do livro (a tradução para o espanhol é de María Luisa Rodríguez Tapia), do qual dou notícia e traduzo trechos.


leia mais...
POR EM 10/06/2011 ÀS 02:48 PM

Mao Tsé-tung não é o autor de "O Livro Vermelho"

publicado em

Mao Tsé-tungOs mitos do socialismo estão ruindo um a um. Agora, cai mais um. O jornal espanhol “El Mundo” noticiou na terça-feira, 7, que o best seller comunista “O Livro Vermelho”, de Mao Tsé-tung, é assinado pelo falecido líder político chinês, mas foi elaborado, integralmente, por um ghost-writer. “O ‘grande timoneiro’ teve um escritor encarregado de redigir ou criar suas inspirações. As fontes dessas dúvidas, procedentes do Partido Comunista Chinês, indicam que seu secretário-geral durante os anos 90, Jiang Zemin, recebeu três informes (dois em 1993 e um em 1995) sobre a autoria do livro mais lido da história do comunismo”, conta “El Mundo”. O livro, para se ter uma ideia, é mais vendido do qualquer outra obra de Lênin, Stálin e Fidel Castro.

O jornal “China Daily”, porta-voz em inglês do governo chinês, tentou desmentir as informações, mas sem credibilidade. Mas ao menos admitiu que a história do “escritor fantasma” existe. Sabe-se que Hu Qiaomu (1912-1992), um intelectual comunista, é o verdadeiro autor de “O Livro Vermelho”. Mesmo assim, o governo chinês, no contra-ataque, alega que Mao é quem ajudou Hu a escrever seus poemas e seus discursos. Na verdade, ocorreu o oposto. Hu Qiaomu, nome esquecido até por historiadores, “foi um personagem capital na China de Mao”, diz “El Mundo”. “Hu foi secretário-particular do líder do Partido Comunista Chinês durante 25 anos e seu homem de confiança em assuntos de ciência e cultura.” Depois da morte de Mao, Hu “se converteu em grande opositor das reformas econômicas de Deng Xiaoping” e se tornou “o último defensor da Revolução Cultural e da ortodoxia maoísta”.


leia mais...
POR EM 08/06/2011 ÀS 02:28 PM

Morre o escritor espanhol Jorge Semprún

publicado em

Jorge Semprún O escritor Jorge Semprún morreu em Paris na terça-feira, 7, aos 87 anos. Grande prosador, Semprún sempre usou a memória para escrever sua literatura. Fez, por assim dizer, uma literatura testemunhal, por exemplo, sobre sua ligação com o mundo comunista e sobre sua prisão no campo de concentração alemão de Buchenwald. Sua literatura foi construída com o objetivo de iluminar a história, talvez de dizer aquilo que a história, com seus rigores acadêmicos, não tinha como dizer.

Numa entrevista publicada em 2000, segundo reporta Javier Rodríguez Marcos, do “El País”, Semprún disse: “Estão desaparecendo as testemunhas do extermínio [as vítimas do nazismo]. Bem, cada geração tem um crepúsculo dessas características. As testemunhas [e os testemunhos] desaparecem. Mas agora vai acontecer comigo. Há pessoas mais velhas que passaram pela experiência dos campos [de concentração e extermínio]. Porém nem todos são escritores, é claro. No crepúsculo a memória se torna mais tensa, mas também está mais sujeita a deformações. Logo, há algo... Você sabe o que é mais importante para alguém que passou por um campo? Você sabe o que é exatamente? Você sabe que isso, o que é mais importante e mais terrível, é a única coisa que não se pode explicar? É o odor de carne queimada. O que fazer com o cheiro de carne de queimada? Para registrar a circunstância existe a literatura. Mas como falar sobre isso? Comparando? A obscenidade da comparação? Dizer, por exemplo, que é como frango grelhado? [ou queimado] Ou intenta-se uma reconstrução minuciosa das circunstâncias gerais da memória, dando voltas em torno ao odor, voltas e mais voltas, sem encará-lo? Eu tenho dentro de minha cabeça, vivo, o cheiro mais importante de um campo de concentração. E não posso explica-lo. E esse odor vai embora comigo como foi com outros”.


leia mais...
POR EM 02/06/2011 ÀS 08:34 PM

Livro diz que Bergman foi trocado na maternidade

publicado em

Ingmar Bergman O jornal espanhol “El Mundo” revelou, na semana passada, que “o cineasta sueco Ingmar Bergman não é filho biológico de sua mãe, Karin Bergman”. Ele “foi trocado ao nascer por outro bebê”. A informação está num livro recém-publicado de Veronica Ralstron, sobrinha do falecido diretor.

“Ralston assegura que pediu ao Instituto de Medicina Forense de Estocolmo uma análise comparativa de DNA a partir da saliva dos selos de cartas enviadas pelo diretor a família e da sua própria saliva, e não coincidem, o que demonstraria, segundo ela, que Karin Bergman não era a mãe natural do famoso diretor”, revela “El Mundo”.

“No livro ‘O Filho Natural e a Troca de Bebê’ (‘Kärleksbarnet och Bortbytingen’), Ralston sustenta que a verdadeira mãe do cineasta, falecida em 2007, é Hedvig Sjöberg, com quem Erik Bergman, pai de Ingmar, teve uma relação extraconjungal”, diz o jornal espanhol. “Segundo a teoria de Ralston, o bebê de sua avô pode ter nascido morto e Erik Bergman aproveitou-se da ocasião para trocá-lo por aquele que supostamente havia tido com Sjöberg. A família do diretor de ‘O Sétimo Selo’ e “Persona’ não deu demasiada importância às informações.”

Um dos filhos de Bergman, Daniel Bergman, disse aos jornais suecos: “Não muda nada se minha avó chama-se Hedvig em vez de Karin”. Ele destaca a relação afetuosa do cineasta com Karin Bergman, o que transparece “em vários de seus filmes”. “Por sua parte”, assinala “El Mundo”, “o famoso escritor sueco Henning Mankell, casado com uma filha de Ingmar Bergman, mostrou-se cético”. Ele defende que a história precisa ser mais bem explicada.


leia mais...
 < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 >  Último ›
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2018 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio