revista bula
POR EM 24/06/2012 ÀS 04:33 PM

Os 10 maiores álbuns de jazz da história — a lista das listas

publicado em
 
Para se chegar ao re­sultado fiz uma compilação de listas publicadas por sites, jornais, revistas e suplementos culturais es­pecializados em música. O objetivo da pesquisa era identificar, baseado nestas listas, quais eram os 10 mais importantes discos de jazz, de artistas diferentes, em todos os tempos. Nos casos de John Coltrane e Miles Davis que aparecem em todas as listas pesquisadas com mais de um álbum listados, priorizei o que teve o maior número de citações. Participaram do levantamento as publicações: “All About Jazz”, “Jaz­zwise”, “A­mazon”, “Tele­graph” “The Guardian”, “All­Mu­sic”, “As­k­Men”, “Sla­te”, “Ac­cuJazz”, “Jaz­z24” e “NPR Mu­­­sic”.  Abaixo, em or­­dem classificatória, os 10 álbuns selecionados baseados no nú­mero de citações. 

leia mais...
POR EM 17/06/2012 ÀS 01:45 PM

50 filmes para ver antes de morrer

publicado em

Depois da polêmica sobre os Filmes Para Morrer Antes de Ler, convidei os mesmos leitores que participaram da a enquete a responderem a pergunta inversa: Se aqueles eram os piores filmes (Para Morrer Antes de Ver), quais seriam os melhores (Para Ver Antes de Morrer)? Cada participante pôde indicar até cinco filmes, de todas as épocas, nacionais ou estrangeiros, tendo como critério principal o gosto pessoal, não importando se um determinado filme era oscarizado ou desconhecido, cultuado ou blockbuster. Discutível como todas as listas de melhores, esta também não pretende ser abrangente e provavelmente se tivesse sido, ou for feita com outros participantes, o resultado será diferente. 72 convidados responderam a enquete. Francis Ford Coppola e Stanley Kubrick foram os diretores mais citados, com três filmes cada. Dois filmes brasileiros aparecem na lista, “Cidade de Deus, de Fernando Meirelles”, e “Nós que Aqui Estamos Por Vós Esperamos”, de Marcelo Masagão. 


leia mais...
POR EM 10/06/2012 ÀS 01:16 PM

A última entrevista de Vinícius de Moraes

publicado em
O poeta e compositor morreu alguns meses depois de ter concedido a entrevista ao jornalista Narceu de Almeida Filho, em 1979
 
Vinícius de Moraes
 
Quando o jornalista Narceu de Almeida Filho bateu este longo papo com Vinícius de Moraes, em sua casa, bem situada numa tranquila rua da Gávea, no Rio de Janeiro, não poderia imaginar que, no momento da edição da entrevista, o Poetinha já não existisse mais. Vinícius estava todo animado, layout novo, de cabelos cortados, barba raspada, vestido elegantemente e sem o seu famoso boné que o acompanhou durante muitos anos. Havia emagrecido vários quilos e abandonado temporariamente as excursões musicais para dedicar-se, novamente, à poesia. Poeta do amor, Vinícius estava ainda em lua-de-mel com sua mulher, Gilda, a quem conheceu na Europa, onde ela estudava. Entre pilhas de livros, discos, um violão, dois conjuntos de som e objetos de arte, ele falava de seu objetivo maior no momento — “fazer feliz essa moça” — e olhava, apaixonadamente, para a mulher sentada ao seu lado. A entrevista foi publicada no livro “As Entrevistas de Ele Ela”, editora Bloch.

leia mais...
POR EM 07/06/2012 ÀS 02:32 PM

As 10 atrizes mais bonitas de todos os tempos – a lista das listas

publicado em

Para se chegar ao resultado fiz uma compilação de listas publicadas por sites especializados em listas sobre cinema e personalidades iconográficas. O objetivo de minha pesquisa era identificar, baseado nestas listas, quais eram as mulheres mais bonitas da história do cinema em todos os tempos. Par­ti­ciparam do levantamento as publicações: “Premiere”, “Em­pire”, “Men’s Health”, “Los Angeles Times” e “IMDb”. Em ordem classificatória, as 10 atrizes selecionadas baseadas no número de citações das publicações pesquisadas.


leia mais...
POR EM 03/06/2012 ÀS 01:35 PM

A última entrevista de Oswald de Andrade

publicado em

Entrevista concedida ao escritor Marcos Rey, na semana que antecedeu a sua morte, em outubro de 1954 

Oswald não sorriu, mas ficou satisfeito. Ergueu-se um pouco na cadeira da qual se levantava com dores e problemas. Talvez quisesse provar-se que ainda lhe restavam energia e agressividade. O que o plano exigia, para pegar, era um Oswald irônico, destruidor e com muito recheio, igual ao dos primeiros retratos. Balançou a cabeça, aprovando. A oportunidade de escrever mais um livro, sem muito esforço, entusiasmava-o. Bastaria respondendo às perguntas. Em sua portátil, eu funcionaria como repórter e secretário. Mas logo a princípio, tornou-se evidente que a longa reportagem não poderia obedecer a um esquema rígido. Nada de ordem cronológica. Oswald não lembrava mais datas e nomes. Às perguntas mais complexas, ficava mudo ou mandava as crianças se calarem. Como andava nervoso e quase sem nenhuma capacidade de concentração! E esperava ansiosamente por telefonemas de seu filho mais velho. Problemas de dinheiro, com toda certeza. Falei do plano com mais detalhes: três entrevistas por semana, no período da manhã. Duas horas no máximo. Se se sentisse indisposto, não precisaria responder nada. Um projeto de livro sob medida para um homem que ia morrer. Dias antes eu fizera uma longa com Oswald, publicada no suplemento literário do jornal “O Tempo”. Essa e mais outra, que apareceu simultaneamente no jornal “Quincas Borba”, foram as últimas que concederia. Mas ele queria falar mais. Podia, ainda, mas era necessário que lhe arrancassem as palavras. Sua esposa Maria Antonieta D'Alckmin, sempre ao lado, naqueles dias, ajudaria a fazer as perguntas e ainda mais a formular as respostas. Era a sua memória, além de tudo. Muita coisa que Oswald contou ou respondeu, nada tinha de inédito. Já estava em outras entrevistas e também no “Um Homem Sem Profissão”, sua autobiografia inacabada. 


leia mais...
POR EM 02/06/2012 ÀS 04:33 PM

30 filmes para MORRER antes de ver

publicado em

Depois da polêmica sobre os Livros Para Morrer Antes de Ler, convidei leitores, amigos do Fa­cebook, e seguidores do Twitter — escritores, jornalistas, publicitários, professores — a responder quais eram os piores filmes que haviam visto ou pelo menos tentado ver. Cada participante poderia indicar entre um e dez filmes, brasileiros ou estrangeiros, tendo como critério principal o gosto pessoal, não importando se um determinado filme era oscarizado ou desconhecido, cultuado ou blockbuster. O objetivo da lista não é zombar ou ofender o gosto alheio, é, sobretudo, uma diversão e reflete apenas a opinião dos participantes consultados. Se podemos ter a lista de nossas preferências, por que não podemos ter a lista daquilo que não gostamos? Na lista, aparecem nomes de diretores consagrados como Guy Ritchie, Glauber Rocha, Andrei Tarkovski, Woody Allen, James Cameron, Michelangelo Antonioni, Robert Bresson, Roman Polanski e Brian de Palma. 


leia mais...
POR EM 27/05/2012 ÀS 12:46 PM

222 livros sobre a vida e a obra de grandes nomes da cultura brasileira para download

publicado em

A Coleção Aplauso, projeto da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, disponibiliza 222 livros sobre a vida e a obra de grandes nomes da cultura brasileira para download ou leitura on-line. Os livros podem ser baixados nos formatos TXT ou PDF ou lidos no próprio site. Biografias e depoimentos de artistas, cineastas, músicos, dramaturgos, além de roteiros de cinema, peças de teatro e a história de algumas emissoras de televisão como TV Tupi, TV Excelsior e Rede Manchete, estão disponíveis. Fazem parte do acervo nomes como Zezé Motta, Walmor Chagas, Wagner Tiso, Tonico Pereira, Teresa Aguiar, Stênio Garcia, Sônia Oiticica, Sergio Viotti, Sergio Cardoso, Rubens Corrêa, Rogério Duprat, Rosamaria Murtinho, Renato Consorte, Pedro Paulo Rangel, Raul Cortez, Ozualdo Candeias, Paulo Betti, Paulo Hesse, Paulo José, Pedro Jorge de Castro, José Vicente, Marici Salomão, Noemi Marinho, Rodolfo Garcia Vázquez e Samir Yazbek. 


leia mais...
POR EM 26/05/2012 ÀS 03:06 PM

Chac Mool, de Car­los Fuentes

publicado em

O conto Chac Mool é considerado uma das obras-primas da ficção moderna

Carlos Fuentes

Faz pouco tempo, Filiberto morreu afogado em Acapulco. Aconteceu na Semana Santa. Apesar de ter sido mandado embora do emprego na Se­cretaria, Filiberto não pôde resistir à tentação burocrática de ir, como todos os anos, à pensão alemã, comer o chucrute adocicado pelos suores da cozinha tropical, dançar o Sábado de Aleluia no La Quebrada e se sentir “gente conhecida” no escuro anonimato vespertino da praia de Hornos. Claro, já sabíamos que na sua juventude tinha nadado bem; mas agora, aos quarenta, e tão abatido como se encontrava, tentar atravessar, à meia-noite, o extenso trecho entre Caleta e a ilha da Ro­queta!... Frau Müller não deixou que fosse velado, apesar de ser um freguês antigo, na pensão; pelo contrário, essa noite organizou um baile no terraço sufocado, enquanto Filiberto esperava, muito pálido dentro de sua caixa, que saísse o caminhão matutino do terminal, e passou lá, acompanhado de caixas e fardos, a primeira noite da sua nova vida. Quando cheguei, muito cedo, para cuidar do embarque do féretro, Filiberto estava embaixo de um túmulo de cocos: o motorista disse que o colocássemos rapidamente sob o toldo e o cobríssemos com lonas, para não espantar os passageiros, e que por favor não trouxéssemos azar à viagem. 


leia mais...
POR EM 24/05/2012 ÀS 06:13 PM

As melhores falas da história do cinema

publicado em

Pedi aos leitores, seguidores do Twitter e fãs da página da revista no Fa­cebook que indicassem quais eram as melhores falas da história do cinema. Das centenas de frases recebidas, selecionei as 20 que tiveram o maior número de citações.  A lista traz desde clássicos absolutos como “Casa­blanca”, até blockbusters famosos como a franquia o “Ex­terminador do Futuro”. Dois filmes foram citados com mais de uma frase: “E o Vento Le­vou”, dirigido por Victor Fle­ming, em 1939; e “Apo­calypse Now”, dirigido por Francis Ford Coppola, em 1979. Cop­pola também é o diretor que aparece o maior número de ve­zes na lista, com três filmes. Eis o resultado, em ordem clas­si­ficatória, baseado no nu­mero de citações. 


leia mais...
POR EM 23/05/2012 ÀS 06:48 PM

Os dez melhores poemas de Carlos Drummond

publicado em

Antecipando o mês de outubro, que vai marcar os 110 anos de nascimento de Carlos Drummond de Andrade, pedimos a dez convidados que escolhessem os seus dez melhores poemas. Coincidentemente, não houve votos repetidos, o que só evidencia a grandeza e a vastidão da obra do poeta mineiro. Em 2011, Carlos Drummond de Andrade ganhou o Dia D, inspirado no Bloomsday, o dia dedicado ao escritor irlandês James Joyce. A data, 31 de outubro, aniversário do poeta, foi comemorada em várias cidades brasileiras, entre elas Rio de janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre, e em Portugal. Em 2012, Drummond será o homenageado da Festa Literária Internacional de Paraty.


leia mais...
 < 1 2 3 4 5 6 7 8 >  Último ›
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio