revista bula
POR EM 18/01/2013 ÀS 07:39 PM

Fá-bula pós-moderna: “Tatuagens Fabulosas”

publicado em

Saibam quantos lerem esta fáBULA ou dela notícias tiverem por qualquer meio nacional ou estrangeiro, eletrônico, virtual, táctil, oral, mecânico, sensitivo, caritativo ou eleitoreiro que em tempos pós-modernos há objetos,  geringonças, módulos, dispositivos, códigos de barra, tarjas, chips,  lentes, imagens e tatuagens que enxergam, espionam, filmam, gravam, mapeiam e se comunicam sem limitações de meridiano, fuso horário, idioma, emoções ou decência; e que o diálogo a seguir é de máxima boa-fé e corresponde à conversa de duas tatuagens glúteas, aqui nomeadas Libélula e Dragão, sendo as ditas cujas alocadas em usuários distintos conforme se verá:

Libélula — Finalmente o casal aí dormiu de bruços. Estava sufocada nessa cama de motel. Prazer, sou Libélula!  E você é um Dragão! Mas por que foi tatuado no glúteo desse marmanjo? Só vi dragões em espáduas, braços, ombros e peitoral dos clientes dessa periguete aí que me usa, a Rosineide...


leia mais...
É permitida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia dos editores, desde que citada a fonte.
© Copyright 2017 — Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural — seutexto@uol.com.br
wilder morais
renovatio